Inicio » Política » Eleições 2014 – Eduardo Campos diz que existe 46% de chance de haver ‘apagão’ no País e culpa Dilma por crise energética

Eleições 2014 – Eduardo Campos diz que existe 46% de chance de haver ‘apagão’ no País e culpa Dilma por crise energética

Pré-candidato à Presidência da República, o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB) afirmou, durante um encontro para discutir propostas de política energética para o plano de governo do PSB, que existe uma probabilidade de 46% de que aconteça um “apagão” no Brasil até dezembro. O socialista também culpou a presidente Dilma Rousseff (PT) pelos problemas no setor elétrico nacional.

Eleições 2014 - Eduardo Campos diz que existe 46% de chance de haver 'apagão' no País e culpa Dilma por crise energética
Eleições 2014 – Eduardo Campos diz que existe 46% de chance de haver ‘apagão’ no País e culpa Dilma por crise energética

“Hoje, os indicadores colocados nesse seminário indicam que nós temos 46% de chance, e portanto é quase um cara-ou-coroa, de até dezembro temos problemas sérios no fornecimento de energia”, afirmou, ao lado da ex-senadora Marina Silva (Rede/PSB), que será sua vice na chapa presidencial.

O ex-governador questionou também um empréstimo de R$ 11 bilhões tomado pelo governo federal para custear o uso de termoelétricas para suprir a demanda por energia no País. O empréstimo deve elevar as tarifas de energia em diversos Estados a partir de 2015.

“O governo endividou em bilhões os brasileiros para postergar o aumento da energia porque não fez o dever de casa em relação à inflação. E agora, o governo, vai escondendo uma situação”, atacou.  “O governo não pode mentir para o povo brasileiro por motivos eleitorais diante de uma situação grave de um setor estratégico como este”, continuou.

Durante a fala, Campos responsabilizou diretamente a presidente Dilma Rousseff pela crise no setor. “Quem conduz essa política há 12 anos no País? A sua excelência presidente da República”, afirmou. A petista foi ministra de Minas e Energia entre os anos de 2003 e 2005.

PIOR QUE FHC – Para o pernambucano, o setor elétrico vive seu pior momento nos últimos 40 anos. Segundo Campos, a crise atual é ainda mais grave que a do governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), onde a crise de abastecimento levou o País a racionar energia durante o ano de 2001.

O problema ajudou a derrotar o candidato do governo, José Serra (PSDB), na disputa contra o padrinho político de Dilma, o ex-presidente Lula (PT), nas eleições do ano seguinte. Para Eduardo, a diferença é que agora a rede de termoelétricas, criada a partir daquela crise, tem dado suporte a demanda energética nacional.

“Hoje, é o sujo falando do mal lavado. A crítica que o PSB faz ao PT, é a mesma crítica que o PT fazia em 2001. Então vamos falar francamente, erraram os dois. Faltou planejamento e está faltando transparência. Faltou lá trás e está faltando agora. E essa crise é mais grave”, atacou o presidenciável.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Cultura Moc - Festa Nacional do Pequi começa na próxima semana

Cultura Moc – Festa Nacional do Pequi começa na próxima semana

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 10 de dezembro de 2016.Cultura Moc – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).