Inicio » Mais Seções » Curiosidades » Jovens tiram roupas em favor da liberdade de expressão

Jovens tiram roupas em favor da liberdade de expressão

Na madrugada de sábado, entorpecidos pela bebida e pelo êxtase de uma noite festiva, um grupo de jovens aproveita o momento e usa a nudez como forma de gritar por liberdade. O apelo está presente em todos os cantos da casa que abriga a festa, em quadros de Che Guevara, bandeiras de movimentos libertários ou frases nas paredes, com referência à luta de classes e por moradia e por menos machismo. É um ambiente escuro, com vários corredores, onde as pessoas parecem não se distinguir. A festa acontece em todos os cômodos e não impõe restrições. Os corpos se embalam em um ritmo latino e parecem em conjunto, sem ligação com a sexualidade. Mascarados entram na pista, e as roupas caem ao chão embaladas pela batida da música.

Jovens tiram roupas em favor da liberdade de expressão
Jovens tiram roupas em favor da liberdade de expressão

A nudez causa um choque momentâneo. O corpo explícito deixa ainda mais claro o contexto da noite. São jovens de classe média, amigos, engajados politicamente e que se reúnem em casas que, de dia, abrigam movimentos sociais e coletivos. À noite, os locais são usados por alguns dos ativistas para pedir liberdade de ir e vir, dominar os próprios corpos e quebrar tabus. Já embriagados pelo momento, pela bebida e pela música, ficar pelado parece uma boa ideia. E o que eles dizem sobre isso é que a cidade é “careta” e que é preciso quebrar paradigmas.

Acostumada a trabalhar com a exposição do corpo, a artista plástica Bárbara Avelino, 26, já participou dessas intervenções e conta que é sempre muito provável que as pessoas tirem as roupas em algumas festas em Belo Horizonte, mas que isso é algo recente. “Sempre acontece espontaneamente, e para mim é supernatural. É uma forma bonita de nudez, e nunca tive experiência negativa com a questão do corpo.”

O artista de rua belo-horizontino Ed Marte conta que a Praia da Estação – manifestação popular que acontece na capital há alguns anos e que surge como forma de protesto pela ocupação das ruas da cidade – foi um marco para essa corrente de exposição do corpo. “Em Belo Horizonte, onde as pessoas são muito conservadoras, gente seminua e de biquini convivendo no meio da cidade choca. Mas é importante quebrar isso e deixar a nudez mais normal”, explica.

Convidado para fazer uma performance em uma festa da capital, Ed Marte se despe das roupas masculinas e veste maiô. Figura incomum, ele não demonstra pudor ao retirar as próprias roupas. Sem nada por cima do corpo, o artista passa maquiagem lentamente, no meio da pista de dança, integrado à festa.

Análise. Iniciados na prática alegam libertação e protesto, e os especialistas concordam. O psicólogo e psicanalista Paulo Roberto Ceccarelli acredita que a juventude tem no corpo uma forma de chamar a atenção para as suas causas. “A nossa cultura tem uma grande repressão ao corpo e à sexualidade. Mesmo tendo uma grande exposição, a questão toda do nu está no contato com o próprio corpo”, analisa.

É uma nudez política, que está bem-colocada, mas choca e muitas vezes causa estranhamento, já que de alguma maneira a fragilidade dos que tiram a roupa é uma forma de demonstrar força, segundo Bárbara. Ali, ninguém parece se sentir vulnerável, e, em poucos minutos, mesmo os que permanecem vestidos não destoam mais, descreve. “Aos poucos, as pessoas estão ficando mais à vontade com o corpo. Isso é o que importa”, finaliza a artista plástica.

Prática se insere em determinado contexto social

A prática da nudez coletiva que se tem visto na capital é restrita a determinado público, formado por jovens na faixa etária dos 20 aos 30 anos, libertários, muitos deles ligados às artes e aos movimentos sociais. O comportamento se assemelha ao da juventude universitária dos anos 60 e 70, que também usou o nu como sinal de libertação, mas em um contexto menos social, segundo o psicólogo Paulo Roberto Ceccarelli.

“Explicitar a nudez não é algo novo, já aconteceu nos anos 60, mas foi um pouco reprimido nos anos 80 com a descoberta da Aids. Momentos mais libertários não duram muito tempo e são reprimidos por movimentos conservadores”, avalia o especialista. Ainda segundo ele, hoje a nudez é mais disseminada e já não incomoda tanto.

Por BÁRBARA FERREIRA / Otempo

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Cultura Moc - Festa Nacional do Pequi começa na próxima semana

Cultura Moc – Festa Nacional do Pequi começa na próxima semana

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 10 de dezembro de 2016.Cultura Moc – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).