Inicio » Internacional » América » Autora de falsas memórias do Holocausto terá que devolver R$ 50 milhões

Autora de falsas memórias do Holocausto terá que devolver R$ 50 milhões

A escritora de um best-seller baseado em falsas memórias sobre o Holocausto foi condenada por um tribunal dos Estados Unidos a devolver 22,5 milhões de dólares, o equivalente a 49,93 milhões de reais, a sua editora.

A autora em questão é a belga Misha Defonseca, autora do livro “Misha: A Mémoire of the Holocaust Years” (Misha: memórias dos anos do Holocausto, na tradução literal), publicado em 1997.

Autobiografia de Misha Defonseca, tornou-se um sucesso e foi traduzida em mais de vinte línguas
Autobiografia de Misha Defonseca, tornou-se um sucesso e foi traduzida em mais de vinte línguas

O livro conta a história – supostamente verdadeira – de uma menina judia que, entre outras coisas, foi criada por lobos e matou um soldado nazista durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A decisão do tribunal de apelação de Massachusetts foi emitida no último 29 de abril e leva a assinatura do juiz Marc Kantrowicz, segundo uma cópia do documento publicada no Courthouse News Service.

A autobiografia de Misha Defonseca, que na verdade se chama Monique de Wael, tornou-se um sucesso instantâneo na Europa e foi traduzida em mais de vinte línguas. Em 2007, a obra ganhou uma adaptação para o cinema, “Sobrevivendo com Lobos”.

Em fevereiro de 2008, Defonseca admitiu que muitas das coisas escritas eram falsas, começando pelo fato de que não era judia e de que nunca havia deixado sua casa na Bélgica durante a guerra. Ela se justificou garantindo que esta foi sua forma de sobreviver à tragédia vivida à época.

“Este livro, esta história, é minha. Não é a realidade real, mas foi a minha realidade, minha maneira de sobreviver”, afirmou a escritora em 2008.

A saga judicial nos Estados Unidos começou com um processo aberto pela própria Defonseca e por uma pessoa que deveria ajudá-la a escrever a versão em inglês, Vera Lee, que denunciaram a editora Mt. Ivy Press L.P por quebra de contrato.

Um primeiro parecer favorável à Defonseca e Lee deu US$ 22,5 milhões à belga (R$ 49,93 milhões) e US$ 9,9 milhões (R$ 27,97 milhões) a Lee.

Mas a derrota judicial levou Jane Daniel, presidente da editora, a buscar evidências de fraude na história, da qual muitos já tinham duvidado.

Após a apelação da editora, o caso passou à segunda instância, onde a sentença em favor de Defonseca foi revertida, e anulada.

A escritora recorreu ao tribunal de apelação, que resolveu manter a decisão de anular a primeira sentença.

“Este caso é único. A falsidade da história é indiscutível”, avaliou o juiz Kantrowitz em sua sentença de 29 de abril.

“Não opinamos sobre se é ‘razoável’ a crença de Defonseca na veracidade de sua história”, informou o juiz, alegando que “a introdução da evidência dos fatos atuais de sua história no processo poderia ter feito uma diferença significativa nas deliberações do júri”.

“Esperamos que agora a saga tenha chegado ao fim”, conclui a sentença de nove páginas.

Fonte: AFP

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Cultura Moc - Festa Nacional do Pequi começa na próxima semana

Cultura Moc – Festa Nacional do Pequi começa na próxima semana

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 10 de dezembro de 2016.Cultura Moc – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).