Inicio » Economia » Brasil evita ‘lista negra’ no comércio com os EUA

Brasil evita ‘lista negra’ no comércio com os EUA

Por empenho do setor industrial, o Brasil contornou seu rebaixamento neste ano para a lista negra de países sujeitos a sanções dos Estados Unidos por violações ao direito de propriedade intelectual. Nessa relação de “prioridade” figuram Rússia, China e Índia, seus sócios no grupo dos Brics.

Brasil evita 'lista negra' no comércio com os EUA
Brasil evita ‘lista negra’ no comércio com os EUA

O último relatório da legislação conhecida como Seção Especial 301, da Representação de Comércio dos Estados Unidos (USTR, na sigla em inglês), foi publicado no dia 30. O Brasil continuou na lista de países “em observação”, entre os que avançam na solução das falhas.

O risco de o Brasil cair para a lista de prioridade tornou-se real desde o ano passado, quando a aproximação com a Índia em diferentes organismos multilaterais foi confundida pelos técnicos do USTR como comunhão dos países no desrespeito às normas internacionais de defesa de patentes e propriedade intelectual. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) contrataram um escritório de advocacia de Washington, o Steptoe & Johnson, para desfazer esse e outros equívocos.

“Nosso objetivo continua a ser a retirada completa do Brasil da Especial 301”, afirmou Diego Bonomo, gerente executivo de Comércio Exterior da CNI. “Mas, neste ano, a preocupação maior era convencer os EUA de que Brasil e Índia são casos diferentes quando se trata de propriedade intelectual. A permanência do País na lista de observação, nesse sentido, foi uma vitória”, completou.

Na Índia, a decisão americana de manter o país na lista de prioridade resultou em pressão para que o governo indiano inicie contencioso contra os EUA na Organização Mundial do Comércio (OMC). O relatório da Seção Especial 301 constatou ter a Índia feito “progresso limitado” na melhoria do sistema legal de defesa da propriedade intelectual, considerado “fraco” por Washington. A quebra de patentes de remédios genéricos, porém, é o ponto nevrálgico.

O USTR avaliou estar o Brasil em “trajetória positiva” tanto na política de direitos de propriedade intelectual como na sua aplicação. Mas, como no caso da Índia, criticou a longa espera pela concessão de uma patente pelo Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (Inpi). Também questionou a “falta de transparência e de previsibilidade” dos processos abertos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para a revisão de patentes e, com base em parecer da Procuradoria-Geral da República, a própria autoridade desse órgão para exercer tal função.

Segundo Bonomo, por meio do escritório de advocacia americano, a indústria brasileira enfatizou ao USTR que sua agenda nessa área não difere das exigências dos EUA. O Brasil internalizou todos os tratados e acordos internacionais sobre propriedade intelectual dos quais é signatário e não adota decisões discriminatórias às empresas americanas e de outros países. Além dos esforços do governo, argumentou Bonomo, a indústria também tem atuado na prevenção de violações a essas normas e quer a diminuição de prazo de concessão de patentes.

No caso da pirataria, um dos pontos negativos citados no relatório do USTR sobre o Brasil, o desafio passa pela vigilância das fronteiras e de portos e aeroportos pela Polícia Federal e Receita Federal. “Não há indústria de pirataria em larga escala no País. Os artigos pirateados chegam da Ásia e por meio de contrabando”, ressaltou Bonomo. O texto do USTR reconheceu haver esforços de controle do contrabando, mas mencionou a necessidade de maior policiamento, sobretudo na região da Tríplice Fronteira Brasil-Paraguai-Argentina. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Agência Estado

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).