Inicio » Colunistas » Coluna – Carta aberta

Coluna – Carta aberta

Vereadora do município de Camboriú/SC, em carta aberta, fez indignada acusação acerca de corrupção e omissão do poder público local. Como se observa a corrupção na administração pública repica em todo o território nacional.

O seu desabafo, para ser mais transparente, deveria vir acompanhado de nomeação das autoridades corruptas. Senão fica uma irrogação “abstrata” e que não transmite credibilidade ao eleitor, ao contribuinte.

Parece-me que a vereadora passa por um momento de forte angústia por não encontrar solidariedade para enfrentar os malfeitos e os vícios de nossa política. Com efeito, o tecido político nacional é podre. A corrupção política no Brasil é um caso de polícia. Ela é crônica e deriva do estado patrimonialista deixado pela cultura portuguesa do Brasil Império, das Capitanias Hereditárias, da cobrança dos dízimos sobre o uso das terras etc. Aqui, tudo consiste na cobrança de altos impostos – sem contrapartida de serviços públicos de qualidade – para bancar a orgia dos gastos públicos nos Três Poderes da República, com repercussão federal, estadual e municipal.

Vejam o inchado e inoperante Congresso Nacional com 81 senadores e 513 deputados, nadando em mordomias mil e produzindo muito pouco. E assim são os legislativos estaduais e municipais. Há municípios brasileiros com menos de 100 mil habitantes que tem vereadores demais. Proporcionalmente à renda municipal e à população contributiva ganham muito para não fazer nada. É um verdadeiro cabide de emprego público, como também é o legislativo estadual e federal.

No Brasil, quando o cidadão não tem competência para trabalhar na iniciativa privada ou prestar um concurso público, ele opta pela forma mais fácil de vencer na vida: vai ser político. E os exemplos estão aí: Lula, Sarney, Dilma Rousseff, Renan Calheiros, Gleisi Hoffmann etc.

O que acaba com o Brasil, além da corrupção, é o gasto astronômico com os nossos políticos. Tem político demais. Gasto com político é um dinheiro jogado fora, que se fosse empregado em educação, saúde, segurança pública, saneamento básico, moradia etc., com certeza, teríamos um país extraordinariamente forte e desenvolvido. Eu considero política no Brasil como sendo a arte de tirar vantagem da coisa pública. Lênin assim se manifestou: “Onde termina a política começa a trapaça”. E de trapaceiro político o país está cheio.

Não era para se ter um conceito tão deformado de política no Brasil. Mas a nossa história política deteriorada não mente. Vejam a manifestação do escritor e político brasileiro Rui Barbosa, durante a sua militância política: “De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto”.

É bom que a vereadora sonhe com um Brasil melhor, porque a nossa realidade é muito complexa. Infelizmente, não tivemos uma colonização inglesa, como os EUA, a Nova Zelândia etc. A região Sul ainda teve o privilégio de receber povos europeus – alemães italianos etc. – que deram um verniz melhor em nossa cultura. Mas o Norte e Nordeste brasileiro, onde a miséria é enorme, não tiveram a mesma sorte.

O Brasil pode melhorar? Sim. Mas não com a mentalidade atual de nossos políticos, que só se preocupam com suas reeleições, com as vantagens dos cargos que exercem, com o fisiologismo espúrio do toma lá, dá cá etc. Entretanto, a única saída para o país esta na educação. Enquanto não se tiver uma política voltada para investimento substantivo em educação, não se vislumbrará nenhuma luz de esperança no fundo do túnel.

O que se pode esperar de um país que – em vez de dar educação pública de qualidade para todos, capacitando negros e brancos pobres, índios etc. para que em igualdade de condição acessem por mérito os diversos segmentos educacionais e profissionais – prefere fazer politicagem eleitoral favorecendo a comunidade negra a ascender por cotas raciais às universidades e empregos públicos? Ora, quando a meritocracia é tratada de forma política, o país ruma na contramão das nações desenvolvidas.

Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor federal aposentado

Balneário Camboriú-SC

Julio Cesar Cardoso
Julio Cesar Cardoso
------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

MG - Jovem inventa que mãe está passando mal para estuprar vizinha

MG – Jovem inventa que mãe está passando mal para estuprar vizinha

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 5 de dezembro de 2016.MG – Jovem …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).



Um comentário

  1. Boa tarde Júlio,
    Conheci seus artigos através de um assunto publicado sobre ” não reeleição”.Fico feliz em poder compartilhar muitos valores com suas publicações.
    Celso