Inicio » Norte de Minas » Norte de Minas – TJMG nega habeas corpus para Fábio Madeiras, ex-prefeito de São João da Ponte

Norte de Minas – TJMG nega habeas corpus para Fábio Madeiras, ex-prefeito de São João da Ponte

A 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) negou ontem, 3 de junho, um habeas corpus impetrado pelo ex-prefeito de São João da Ponte, norte de Minas, Fábio Luiz Fernandes Cordeiro, vulgo Fábio Madeiras. Ele é acusado de ter participado, na administração do município, de uma organização criminosa que fraudava licitações.
Marcus Vinicius Crispim, o Corbi (E) e Fábio Madeiras (D)
Marcus Vinicius Crispim, o Corbi (E) e Fábio Madeiras (D)

A prisão preventiva de Fábio Madeiras. foi decretada no último dia 8 de maio pela juíza Solange de Borba Reimberg Riemma, da comarca de São João da Ponte. Ele está recolhido ao Presídio Regional de Montes Claros.

Segundo o processo, movido pelo Ministério Público, o ex-prefeito e Marcus Vinícius Crispim, o Corbi, dono da empresa Franklin Máquinas Serviços de Engenharia Ltda., junto a outras pessoas envolvidas, se uniram para desviar recursos públicos, através de fraude em quatro licitações realizadas em 2009 pela prefeitura. A atuação da quadrilha gerou um prejuízo aproximado de R$ 1,8 milhão aos cofres públicos, beneficiando a empresa de Corbi, que estava recolhido ao Presídio Regional de Montes Claros mas foi transferido para a Penitenciária de Segurança Máxima de Francisco Sá, após ser acusado de comprar chips e aparelhos de celular junto a um agente penitenciário.
Fábio Madeiras impetrou habeas corpus, alegando que não é mais prefeito desde 31 de dezembro de 2013, não podendo “concorrer com novos prejuízos para a administração pública municipal”. Alega que a gravidade do delito não é critério válido para a manutenção da prisão preventiva, sendo cabível a aplicação de outras medidas cautelares. Afirma ainda que a decisão da juíza não foi devidamente fundamentada, alegando a inexistência de requisitos autorizadores de sua prisão.
Garantia da ordem pública
O desembargador Júlio César Lorens, relator do recurso, negou o habeas corpus, sob o entendimento de que “a prisão cautelar dos representados visa a garantir a ordem pública, considerando a seriedade dos delitos cometidos contra a administração pública, bem como sua magnitude, revelada pela circunstância de se estender além dos limites da comarca e a propensão à continuidade da prática que disso resulta, também inferível pelos processos criminais e por improbidade administrativa em andamento a que os representados respondem.”
O relator afirmou ainda que a concessão do habeas corpus traria “a grande possibilidade de novos prejuízos e fortalecimento da organização criminosa”, além de “riscos à máquina administrativa e moralidade pública”, gerando “descrédito da justiça e das autoridades constituídas, consolidando a sensação de impunidade e insegurança.”
A decretação da prisão preventiva, segundo o relator, é necessária também para “assegurar a conveniência da instrução criminal, considerando o poder econômico e a influência política dos réus, o que poderia comprometer a produção de prova testemunhal em juízo, colocando em risco a apuração da verdade e a aplicação da lei penal.”
Os desembargadores Pedro Coelho Vergara e Eduardo Machado acompanharam o relator.
------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Cultura Moc - Festa Nacional do Pequi começa na próxima semana

Cultura Moc – Festa Nacional do Pequi começa na próxima semana

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 10 de dezembro de 2016.Cultura Moc – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).