Inicio » Política » Projeto de lei quer acabar com feriado da proclamação da República

Projeto de lei quer acabar com feriado da proclamação da República


Reviewed by:
Rating:
5
On 22 de junho de 2014
Last modified:17 de dezembro de 2014

Summary:

Projeto de lei quer acabar com feriado da proclamação da República

Uma proposta em tramitação na Câmara dos Deputados quer diminuir um feriado nacional no calendário brasileiro, o de 15 de novembro. De autoria do do deputado Newton Cardoso (PMDB-MG), o projeto de lei será analisado pelas comissões de Cultura, de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Para o deputado Newton Cardoso, o 15 de novembro não gera "sentimento cívico" na sociedade.
Para o deputado Newton Cardoso, o 15 de novembro não gera “sentimento cívico” na sociedade.

O argumento do parlamentar é de que, para ele, o 15 de novembro não gera “sentimento cívico” na sociedade. Com argumentos baseados no livro 1889, do jornalista Laurentino Gomes, o deputado afirma que é um feriado sem reconhecimento do povo, aproveitado apenas para mais um dia de descanso.

Newton Cardoso justifica ainda que, ao contrário do 7 de Setembro, que marca a Independência do Brasil, a proclamação não teve participação popular e, portanto, não gerou na sociedade o sentimento cívico.

Como o projeto tem caráter conclusivo, será analisado pelas comissões, sem necessidade de passar pelo Plenário, a não ser que haja divergências nas conclusões.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).