Inicio » Mais Seções » Mais de metade da população brasileira é usuária de Internet

Mais de metade da população brasileira é usuária de Internet

“Pela primeira vez na série histórica da pesquisa TIC Domicílios, a parcela da população que é usuária de Internet ultrapassa 50%”, comenta Alexandre Barbosa, gerente do Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (CETIC.br), órgão ligado ao Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br) e ao Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br). Esse é o principal indicador da nona edição do estudo, referente ao ano de 2013, divulgada nesta quinta-feira, 26/6.

Mais de metade da população brasileira é usuária de Internet
Mais de metade da população brasileira é usuária de Internet

Isso significa que, em 2013, o país já tinha 859,9 milhões de usuários de internet (indivíduos de 10 anos ou mais que usaram a internet ao menos uma vez no perído em que foi feita a pesquisa).

A pesquisa foi realizada em mais de 16 mil domicílios brasileiros (16.887) em 350 municípios, entre setembro de 2013 e fevereiro de 2014. Entre os destaques, observa-se também o crescimento da proporção de usuários de Internet pelo celular, além do maior acesso a equipamentos portáteis, como notebooks e tablets.

“Infelizmente, ainda não é possível saber o quanto desse rápido crescimento do acesso móvel contribuiu para o aumento significativo do acesso internet entre toda a população”, afirma Barbosa. “Não fizemos esta pergunta na pesquisa e considerando os dados  demográficos dos usuários que fizeram acesso móvel, percebe-se uma sobreposição muito grande da população que já tinha internet no domicílio passando a ter também o acesso móvel”, completa.

Apesar do crescimento entre a população, considerando apenas os domícios com acesso à Internet em 201, somente 43% estão conectados, correspondendo a 27,2 milhões em números absolutos. A maioria dos domicílios sem acesso à internet estão em regiões com baixo IDH e em áreas rurais.

As desigualdades por classe social e área geográfica persistem: na classe A, a proporção de domicílios com acesso à Internet é de 98%; na classe B, 80%; na classe C, 39%; e nas classes D e E, 8%. Nas áreas urbanas, a proporção de domicílios com acesso à Internet é de 48%, enquanto nas áreas rurais é de 15%.

“Registramos um crescimento considerável de acesso na classe C, de 38% em 2012 para 49% em 2013 e já começamos ver as classes D e E entrando nessse mundo, com 17% das residências com algum tipo de acesso”, afirma Barbosa.

Apesar disso, 24,2 milhões de domicílios com renda familiar de até dois salários mínimos ainda estão desprovidos de acesso à Internet. “Mesmo com o crescimento ano após ano, o Brasil ainda encontra desafios para a massificação do acesso à Internet. Nossas análises identificam um conjunto complexo de fatores geográficos, sociais e econômicos que precisam ser observados sobre a expansão da conectividade em todo o território nacional”, afirma Barbosa.

De acordo com ele, o custo do acesso segue sendo a maior barreira. O  brasileiro não tem condições de pagar peloa acesso. Quem já conseguiu acesso nas classes D e E o fazem através de planos de banda larga popular.

Nos lares com acesso à Internet, 66% das conexões são feitas por meio da banda larga fixa. Mais da metade dos brasileiros já acessa a internet a velocidade superiores a 2Mbps. E apesar de uma parcela significativa, de 13% dos entrevistados, não saber a velocidade contratada, é possível afirmar uma tendência de crescimento acelerado da presenção de conexões com velocidades mais altas.

Celulares cada vez mais presentes
Ainda segundo o estudo, em 2013, 85% das pessoas com 10 anos de idade ou mais usavam telefone celular, totalizando 143 milhões de brasileiros. Nas classes D e E esta proporção é de 69% e na área rural é de 73%.

O uso da Internet no celular destacou-se em 2013: 31% dos brasileiros com 10 anos ou mais acessaram a rede pelo aparelho, o que representa 52,5 milhões de pessoas em números absolutos. Esse percentual mais que dobrou nos últimos dois anos: em 2011 era de 15% dos usuários e 20%, em 2012.

Dos que acessaram a internet por celular, 75% usaram 3G ou 4G e 62% usaram WiFi. Detalhe:3G e 4G estão na mesma categoria de resposta: acesso via rede móvel . Não dá para saber 4G separado. E 22% dos que acessaram a internet móvel o fizeram por modem 3G.

A TIC Domicílios 2013 aprofundou ainda o estudo das atividades realizadas no telefone celular e constatou que 30% dos usuários de telefone celular acessaram redes sociais; 26% compartilharam fotos, vídeos ou textos; 25% acessaram e-mails; e 23% baixaram aplicativos.

Cresce também a presença de tablets e notebooks
A TIC Domicílios 2013 constatou que 49% dos domicílios têm computador, o que representa um crescimento de três pontos percentuais em relação a 2012. Em números absolutos, existem 30,6 milhões de domicílios com computador.

Em relação ao tipo de computador, cresceu a presença dos portáteis (laptops e notebooks), alcançando 57% dos domicílios com computador. Em 2012, essa proporção era de 50%. O que também aumentou foi a presença de tablets, que estão presentes em 12% dos domicílios com computador, representando uma proporção superior à registrada em 2012, que era de 4%.

Para acessar a pesquisa TIC Domicílios 2013 na íntegra, assim como as pesquisas dos anos anteriores, visite http://cetic.br/.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).