Inicio » Colunistas » Coluna – Senadores na Copa do Mundo

Coluna – Senadores na Copa do Mundo

O legado da Copa do Mundo também foi sentido no Congresso Nacional. Os senadores Aníbal Diniz (PT-AC) e Cidinho Santos (PR-MT) foram se divertir à nossa custa no Mundial.

Aníbal Diniz mandou a conta das três passagens aéreas, R$ 2.988,27 no total, referentes à ida a dois jogos, para o Senado quitar. Já o senador Cidinho gastou R$ 1.044,53 numa passagem de São Paulo para Cuiabá, após assistir ao jogo de abertura da Copa do Mundo.

A primeira conta R$ 1.431,25 de Diniz é referente ao deslocamento entre as cidades de Brasília e São Paulo, no dia 12 de junho. O parlamentar quis assistir o jogo entre a seleção brasileira e a Croácia, na abertura da Copa, no Itaquerão. No mesmo dia, Diniz voltou à Brasília, tendo pago um valor menos pela passagem aérea, R$ 535,47 pelo trecho.

O senador petista se mostrou um torcedor fiel. Ele foi a mais dois jogos: Brasil x Camarões, em Brasília, em 23 de junho; e na última terça-feira, no Mineirão, onde assistiu à derrota do Brasil para a Alemanha. Só para voar de Brasília a Belo Horizonte, gastou R$ 1.021,55. O político não conseguiu um voo para voltar à capital federal. A solução foi pegar um ônibus, cuja tarifa foi de R$ 130, paga com recursos próprios.

Já Cidinho Santos viajou de Cuiabá a Brasília em 10 de junho com a verba indenizatória. Este tipo de verba, na verdade, é destinado para os parlamentares usarem em compromissos relacionados ao mandato. Ou seja, trabalhar pelo Congresso. O senador viajou no dia seguinte a São Paulo com recursos próprios. Porém, fez o trajeto de São Paulo a Mato Grosso com dinheiro público: R$ 1.044,53. Fonte: Informações de jornais.

Esses travestidos políticos não têm vergonha de usar a coisa pública em seu proveito. Falta-lhes envergadura moral, e praticam improbidade administrativa sem hesitação. Não respeitam o exercício do múnus público. Pensam que dinheiro público e propriedade privada. E vejam: os senhores Aníbal Diniz e Cidinho Santos são senadores biônicos, pois não receberam um voto sequer para estar no Senado Federal. Se fossem corretos, principalmente agora que a sociedade está mais vigilante com os comportamentos de políticos, deveriam evitar o uso das benesses públicas para irem assistir a jogos da Copa do Mundo.

Enquanto isso, miríades de brasileiros sem eira nem beira e doentes pelo país não conseguem passagem, paga pelo erário, para ir fazer um tratamento médico de urgência e morrem abandonados, mas os políticos mequetrefes Aníbal Diniz e Cidinho Santos, sem escrúpulo, se dão ao luxo de assistir a jogos do Mundial com dinheiro do contribuinte e não se envergonham. Depois não querem que a sociedade se revolte.

Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor federal aposentado

Balneário Camboriú-SC

Julio Cesar Cardoso
Julio Cesar Cardoso
------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).