Inicio » Colunistas » Adilson Cardoso » Coluna – A Chegada de João Ubaldo no Paraiso

Coluna – A Chegada de João Ubaldo no Paraiso

– Jorge, Jorge! Vocifera Zélia Gatai ao marido que balança tranquilamente na rede. – Meu São Jorge de Ogum valha-me! O que houve criatura? – Home de Deus, acabei de saber que João Ubaldo está chegando! A serenidade de Jorge Amado se fez de espanto, passando a mão pelos cabelos arrepiados e uma ligeira passada de língua nos lábios, sem palavras caminhou até o chalé de flores na entrada e bateu forte na porta de madeira que soou feito repiques dos tambores do Olodum. Da sacada com seu chapéu quebrado na testa e uma sanfona dependurada no peito, Luiz Gonzaga sorriu e tocou um trecho de uma canção. – Eita caba da peste! Tá pensano que durmo com os zóio dos otros, já até preparei a moda de chegada pra ele! Jorge Amado de sorriso largo abraçado por Zélia se virou observando com atenção Drummond falar ao ouvido de João Cabral, cercados por Cecilia Meireles e José Lins do Rêgo, a conversa estava tão interessante que os três poetas se juntaram numa espécie de dança de roda, girando e voltando ao ponto de partida. José Lins batia palmas, a coreografia parecia necessitar de mais ensaios e Cecília deixava os cabelos ondulados caírem para um lado. Na sacada onde Gonzagão cria suas notas Dominguinhos aparece e acena para os amigos indicando que descerá. Poucos segundos depois a porta principal se abriu em frente às flores e os dois Sanfoneiros fizeram soar amplamente as canções que tanto marcaram a gente da terra, um côro gritou o nome de João! João Ubaldo Ribeiro que estava a caminho daquele Paraiso. O sol queria contribuir, refletindo seus raios dourados sobre a relva de verde primavera, pássaros voavam dançando ao ritmo dos acordeons enquanto Jacson do Pandeiro surgiu como malabarista rodopiando seu instrumento nas mãos para a felicidade do seu Luiz, Monteiro Lobato de terno branco decifrava as bicadas do Pica Pau Amarelo em um abacateiro. Paulo Freire como sempre cumprimentava todos a volta com um aperto arrochado na mão, principalmente no seu amigo Darcy Ribeiro a quem tece os melhores comentários sobre o escritor que dali a pouco entraria pelo portão da eternidade.  De repente como que cronometrado os músicos pararam e a voz do escritor de Sargento Getúlio surge do interior da casa: – Mas que festa é esta sem comes e bebes e sem um bom charuto para se fumar! O silêncio gelou por instantes, até o Pica Pau do Abacateiro parou para escutar. – Mas como? Indagou João Guimarães Rosa de canto de boca a Manuelzão que segurava uma espingarda, mesmo tendo lidado com todos os tipos de aparições das caatingas não conseguia entender. A voz ressoou novamente, e, descortinou-se em corpo por trás dos tocadores, para a surpresa e riso de todos, era o Chico Anísio das inúmeras faces e vozes, estava acompanhando de Rogério Cardoso e Ronald Golias, os três imitavam alegremente os passos das Chacretes. Candido Portinari não queria deixar o momento sem algo que reforçasse aquela união e escreveu numa faixa; “Bem vindo João Ubaldo”. Millôr Fernandes com uma charge de personificação do escritor fizera uma frase “Bem vindo amigo, mas sem o sorriso do Lagarto”. Machado de Assis como sempre econômico nas palavras olhava para todos demonstrando satisfação em receber mais um, da sua Academia de Letras, Juntou-se a Austregésilo e José de Alencar, ajeitando o pince-nez para observar melhor.  E a dupla de sanfonas retomou o duelo, Gonzagão só tirou os olhos das manobras de Dominguinhos para receber a benção do seu filho Gonzaguinha que apontava para a as margens do riacho, onde Patativa do Assaré e Virgulino Ferreira andavam displicentemente contando versos, seguidos por Renato Russo e Cazuza que insistiam para que Clarice Lispector os acompanhasse, mas a sisuda escritora fumava tranquilamente, fingindo não entender. E a musica, os comes e bebes sugeridos pelo Chico ficaram sob a guarda daquele lindo dia até a chegada do João, o João aquele João que entre tantos Joões é Ubaldo Ribeiro que deixa órfãos tantos fivros e vazia a cadeira de numero 34.

Por Adilson Cardoso

Adilson Cardoso
Adilson Cardoso
------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).