Inicio » Colunistas » Coluna – A patrulha “democrática” petista

Coluna – A patrulha “democrática” petista

A patrulha bolchevique petista ainda tem mentalidade da antiga União Soviética. Não se conforma com a sociedade capitalista, mas vive e tira proveito dela. Prega uma sociedade mais igualitária, mas os seus políticos não distribuem parte de suas riquezas com ninguém.

A democracia petista, defendida para o país, não permite a ampla liberdade de expressão social e jornalística, a livre disposição dos bens dos indivíduos, bem como é contrária a que o empresariado da produção de riquezas e empregos escolha os seus melhores caminhos. A democracia singular petista é altamente intervencionista. Vejamos alguns exemplos.

O ilustre desconhecido petista, Nazareno Fonteles (PI), em 2011, apresentou a absurda proposta (PEC 33), que submete as decisões do STF, de natureza constitucional, ao crivo do Congresso Nacional, uma afronta desmesurada à autonomia de um dos poderes da República.

O mesmo parlamentar, de visão tosca bolchevique, em sua PLP 137/2004, preciosa peça “bolivariana”, tenta criar confisco social, denominado “Poupança Fraterna”, e estabelece limite máximo de consumo da sociedade.

O obscurantista deputado Vicentinho (PT-SP), também de visão retrógrada e parva, desconhece que cultura não deve ser confundida com mercadoria alfandegária. O seu protecionismo exacerbado nacionalista é um dos braços petista de sua democrática política intervencionista. Pois bem, o deputado é autor do projeto de lei nº 7299/2014, que visa proibir a compra de publicações estrangeiras pelo setor público.

A esse respeito, posicionou-se o economista Maílson da Nóbrega: ”Ele alega que não se deve ‘favorecer o mercado externo em detrimento das produções nacionais’. Assim, as universidades, os hospitais e outros órgãos ficariam impedidos de importar livros científicos e demais publicações gráficas. Jamais se foi tão longe no propósito de ‘proteger’ a indústria”.

Vejam a anticultura imposta pelo governo petista: um projeto financiado pelo Ministério da Cultura banca a edição de milhares de livros de autores clássicos ‘facilitados’, começando por Machado de Assis. Como disse a escritora Lya Luft: “Facilitados para quem? Para o eleitor ignorante, é claro, despossuído de inteligência necessária ou da necessária educação para ler esse autor, o primeiro a sofrer tão abominável mutilação. Troca de vocábulos e talvez frases inteiras, em suma, reescrevem Machado; portanto o que for lido não será ele”.

O governo resolveu extinguir a democracia ao assinar o Decreto 8.243, que cria a “Política Nacional de Participação Social” e o “Sistema Nacional de Participação Social”, verdadeiros instrumentos intervencionistas, bolcheviques e que desrespeita a autonomia do Congresso Nacional de tratar das políticas públicas.

O cantor Lobão, em artigo Hello! Palco não é palanque!, fez oportuna crítica à patrulha ideológica petista que não aceita que um artista, que não se identifique com a sua ideologia política, possa trabalhar em qualquer evento festivo do partido. Uma sandice sem tamanho. E Lobão não deixou por menos: “Imagine que surreal seria termos os holofotes e as atenções voltadas exclusivamente para artistas filiados ao PT, que sobem no palanque do partido e recebem uma grana preta para fazer campanha publicitária dos órgãos públicos. Como seria se a gente só pudesse assistir a filmes, peças teatrais e minisséries com temas ‘customizados’, destinados a favorecer a imagem do governo? E que tal se fôssemos obrigados a engolir só o que passa pelo filtro ideológico do PT?”.

Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor federal aposentado

Balneário Camboriú-SC

Julio Cesar Cardoso
Julio Cesar Cardoso
------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).