Inicio » Minas Gerais » MG – Sobe para 134 cidades a decretar situação de emergência por falta de chuva

MG – Sobe para 134 cidades a decretar situação de emergência por falta de chuva

Quase 2 milhões de mineiros já são afetados pela pior estiagem registrada no Estado desde 1971. Até essa segunda-feira (21), 134 municípios haviam decretado situação de emergência em função da falta de chuva, apenas 13 a menos do que o total registrado em todo o ano passado, quando 147 cidades recorreram ao poder público, federal e estadual, para amenizar os prejuízos causados pela seca prolongada.

MG - Sobe para 134 cidades a decretar situação de emergência por falta de chuva
MG – Sobe para 134 cidades a decretar situação de emergência por falta de chuva

A situação tende a piorar, uma vez que o período de seca vai até setembro. A reportagem tentou obter, junto à Defesa Civil, informações sobre quais medidas vêm sendo tomadas para auxiliar as cidades atingidas, mas ninguém foi localizado.

Os municípios afetados, localizados principalmente no Norte de Minas e nos vales do Jequitinhonha e Mucuri, abrangem uma população de 1.980.480 pessoas, considerando-se moradores das zonas rural e urbana.

A maioria dos prejudicados, porém, são produtores rurais, que têm, normalmente, rios, lagos e cisternas como fonte de água. Muitos estão secos.

É o caso de moradores da zona rural de Córrego Danta, na região Centro-Oeste. Desde 2009, a cidade não decretava situação de emergência. O prejuízo estimado por produtores rurais é de R$ 2,3 milhões, se somadas as perdas com as lavouras de café e milho, principais atividade na região.

“Estou aqui há 22 anos e nunca vi uma situação dessa. Quem mais sofre são os lavradores e pecuaristas, de leite e corte. Pelo menos metade das plantações já foi perdida, além de 4% do gado, que, se não morreu, vai morrer”, informa o engenheiro agrônomo Luís Cláudio Coimbra, da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) em Córrego Danta.

Açudes

Na avaliação do secretário-executivo da Associação dos Municípios da Área Mineira da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) (Amams), Luiz Lobo, faltam medidas efetivas para prevenir os estragos provocados, anualmente, aos municípios mineiros, sobretudo no Norte.

“Ações que poderiam ter sido executadas ao longo do ano não foram, como pequenas barragens e construção de açudes e poços. São obras estruturantes que poderiam, se não resolver, amenizar os reflexos da estiagem prolongada”, afirma.

Lobo reforça ainda as dificuldades enfrentadas por populações ribeirinhas, que dependem do curso do rio para se locomover em balsas. Uma dezena de cidades está ilhada, já que o rio São Francisco, principal acesso entre elas e Montes Claros, a maior cidade do Norte de Minas, praticamente secou. “Moradores de Pintópolis e Urucuia, por exemplo, que usam balsa para buscar ajuda médica, não têm como fazer a travessia”, diz.

De acordo com Lobo, uma reunião emergencial foi solicitada há cerca de 20 dias, junto à Defesa Civil Estadual, para discutir ações de urgência para as cidades afetadas pela seca. Até essa segunda, não havia nenhuma resposta.

A decretação de situação de emergência em virtude de estiagem ou seca está vinculada aos prejuízos à agricultura e pecuária, que são, geralmente, a principal fonte de renda da população.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).