Inicio » Política » TRE cassa mandato do deputado Júlio Campos por gasto ilícito

TRE cassa mandato do deputado Júlio Campos por gasto ilícito

O Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT) cassou, por quatro votos a um, o mandato do deputado federal Júlio José de Campos (DEM) por compra de votos e gasto ilícito de recursos financeiros na campanha eleitoral das eleições de 2010. A decisão cabe recurso.

Deputado federal Júlio Campos (DEM)
Deputado federal Júlio Campos (DEM)

O deputado é da tradicional família Campos, que tem grande influência na cena política mato-grossense desde os anos 60, com mais força nas décadas de 70, 80 e 90, quando ele e o irmão, senador Jayme Campos (DEM), foram eleitos governadores do estado. O deputado, que iniciou a carreira em 1964 – ano do Golpe Militar – filiando-se ao PDS, já foi, pela extinta ARENA e o PFL, secretário e prefeito de Várzea Grande, cidade vizinha à capital, Cuiabá. No DEM, chegou ao terceiro mandato como deputado federal, ainda em vigor.

Diz trecho da representação do Ministério Público Eleitoral (MPE) que “antes do período de campanha e ao longo dela, arrecadou e despendeu recursos ao arrepio do ordenamento normativo em vigor, que configuram captação de votos e a prática do chamado ‘caixa dois’”.

Ainda conforme o MPE, o filho dele, Júlio Campos Neto, hoje conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), trocou votos por vales-compras e vales-combustíveis. Campos Neto emitia os vales em cartões de apresentação da empresa Empreendimentos Santa Laura, sendo as despesas arcadas por J. D. Campos Neto Treinamento Empresarial.

A Polícia Federal flagrou, no dia 23 de setembro de 2010, ou seja, cerca de apenas 10 dias das eleições, uma situação que talvez seja a prova mais forte do processo. Após denúncia anônima feita por telefone três agentes foram ao escritório do então candidato Júlio Campos por volta das 9h e encontraram uma reunião em andamento com um total de 40 pessoas, que receberiam os tais vales-compra e vales-combustíveis das mãos do filho do candidato, para serem retirados no Supermercado Bom Gosto e no Posto América da Avenida do CPA, indicando nomes de quem procurar nesses estabelecimentos. Os agentes chegaram à paisana e se infiltraram entre as pessoas. Através de conversas paralelas confirmaram que a denúncia fazia sentido.

O relator do processo, juiz José Luiz Blaszak, votou pela cassação, tendo sido acompanhado pelos juízes membros Agamenon Moreno de Alcântara Júnior e Pedro Francisco da Silva e também pela desembargadora Maria Helena Gargaglione Póvoas. O voto dissidente foi do juiz Samuel Franco Dalia. “Embora não veja com bons olhos denúncias anônimas e muito menos infiltração policial sem autorização judicial, estou até agora me penitenciando por não ter pedido vistas dos autos quando do julgamento da preliminar que arguia a ilicitude das provas. Entretanto, ainda que assim o fosse, tenho para mim que as provas acatadas como lícitas não são hábeis o suficiente para a procedência da representação”. Dalia argumentou que viu apenas indícios para uma cassação e não provas cabais. Alegou ainda que viu fragilidade nos depoimentos de testemunhadas arroladas.

O advogado do deputado Júlio Campos, José do Patrocínio, informou ao Terra que vai aguardar a publicação do acordão e, em um prazo jurisdicional de três dias, vai entrar com recurso especial junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), pedindo o efeito suspensivo da cassação, até o julgamento do mérito da ação. Dessa forma, acredita que o cliente dele poderá cumprir todo o mandato, que termina ao final de 2014.

“Eu o comuniquei da decisão que ocorreu contrária as nossas pretensões e assim que for publicado o acordão, dentro de cinco dias a uma semana, tenho prazo de três dias para a gente aviar recurso especial, uma medida cautelar com efeito suspensivo, até o julgamento de mérito. Então, o deputado está muito tranquilo e não tem que se afastar imediatamente e talvez, a gente obtendo o efeito suspensivo, isso nunca ocorra”. Segundo a defesa, o deputado nega veementemente as acusações.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).