Inicio » Política » Eleições 2014 – Posição em temas tabu pesa para atrair voto evangélico

Eleições 2014 – Posição em temas tabu pesa para atrair voto evangélico

Quando o bispo Edir Macedo inaugurou, na noite quinta-feira, 31, o seu Templo de Salomão, tinha entre os seus dez mil espectadores a presidente Dilma Rousseff (PT). O voto evangélico representa cerca de um quinto do eleitorado brasileiro. A Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), a que pertence o templo, é considerada “mais dilmista”.
Igreja Universal, de Edir Macedo, é considerada a mais "dilmista"
Igreja Universal, de Edir Macedo, é considerada a mais “dilmista”

A competição por este eleitorado mais conservador fez com que Aécio Neves (PSDB) se reunisse com pastores no início de julho em um encontro que, a princípio, não foi divulgado. Eduardo Campos (PSB) também mantém conversas com lideranças evangélicas. A favor do pernambucano contam seu histórico católico e a figura de bom pai e marido – ressaltada por várias lideranças evangélicas – e sua vice, Marina Silva, ligada à Assembleia de Deus. “Para os meus eleitores e para uma boa parte dos evangélicos, o testemunho de família pesa na hora de escolher o candidato. Mas muitas vezes na política não se pode escolher o ideal, mas o possível”, afirma um parlamentar da bancada evangélica.

Além da vida pessoal, a posição sobre temas como descriminalização do aborto e união homoafetiva são fundamentais para a declaração de apoio. Um interlocutor duvida que algum dos principais postulantes ao cargo se posicione favoravelmente aos temas durante a campanha. “Se o fizer, é porque despreza nosso apoio”, disse.
Segundo o professor de Ciências da Religião Dario Rivera, a IURD acompanha tradicionalmente o candidato que considera ter mais chances de vitória – ainda que o apoio a Dilma seja menos explícito neste pleito. 
Mas a petista deverá enfrentar uma rejeição forte de outras igrejas. O movimento anti-PT é liderado pelo pastor Silas Malafaia, presidente do Conselho de Pastores do Brasil. “O PT procura os evangélicos de quatro em quatro anos. Entre as eleições, eles são contra tudo que é de valor para os evangélicos. Estamos ficando mais espertos. Não adianta querer carregar pastor no colo”, afirmou ao Broadcast Político.
Os principais adversários de Dilma, Campos e Aécio, também não devem conseguir conquistar o apoio dos evangélicos antipetistas no primeiro turno. Malafaia defende uma união em torno do candidato do PSC, Pastor Everaldo. “Acredito que ele pode ter entre 7% e 10% e ser um fator muito interessante no segundo turno”, afirma. Para Dario Rivera, o discurso de que “irmão vota em irmão” pode se tornar forte e atrair voto da maioria pentecostal, principalmente na Assembleia de Deus.
A Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil, liderada pelo pastor José Wellington Bezerra da Costa, é o principal grupo evangélico que ainda não definiu apoio para o pleito deste ano. Apesar de representar cerca de 60% dos fiéis, o grupo é considerado menos centralizado do que a ala que apoiará Everaldo. Em 2010, a entidade aderiu à candidatura do tucano José Serra
Questionado se não seria natural um apoio ao candidato do PSC, um pastor ligado à Convenção Geral lembrou que um presidente da República “não é um ministro da igreja”. “Ele tem de administrar toda a nação, terá que ter algumas qualidades inerentes ao cargo alguma desenvoltura, vai representar a nação brasileira. Não gostaríamos de ter uma pessoa por ser apenas evangélico, pastor”. Apesar de não garantir o apoio, o nome do Pastor Everaldo ainda não foi descartado.
Agência Estado
------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).