Inicio » Mais Seções » Ciência » Cientistas avançam para a descoberta da cura para calvície

Cientistas avançam para a descoberta da cura para calvície

Pesquisadores americanos podem ter ajudado a encontrar a solução para a calvície masculina, chamada de alopecia areata – doença autoimune comum que promove queda de cabelo. Em um estudo publicado nesse domingo (17) na revista Nature Medicine, os cientistas mostraram que o uso de um medicamento voltado para o tratamento de um tipo raro de câncer no sangue pode fazer com que os fios de três pacientes calvos voltassem a crescer em todo o couro cabeludo.

A alopecia é um dos tipos mais comuns de calvície e agora pode ter cura
A alopecia é um dos tipos mais comuns de calvície e agora pode ter cura

O estudo aponta que após tomarem dois comprimidos de ruxolitinib ao dia e durante cinco meses, os homens calvos que participaram dos testes viram cabelo voltar a crescer completamente. O medicamento é indicado para tratar a mielofibrose, que ocorre quando células da medula óssea. A substância é aprovado por órgãos de saúde dos Estados Unidos e da Europa, mas não possui registro no Brasil.

Apesar dos bons resultados, os estudiosos admitem que a droga não parece ser eficaz no combate ao tipo mais comum de calvície entre homens, que é a causada por fatores hormonais. Já para os pacientes com alopecia areata, doença que destrói a raiz capilar e provoca a queda de cabelo, há esperança.

“Pacientes com alopecia areata sofrem profundamente, e esses achados marcam um passo significativo para eles. A nossa equipe está comprometida em avançar com os estudos para atender a necessidade dessas pessoas”, diz Angela Christiano, professora de dermatologia e de genética da Universidade Columbia e uma das coordenadoras da pesquisa.

Após o sucesso com o primeiro grupo de homens, a equipe informou que está realizando testes com um grupo maior de pacientes. “Os testes estão apenas começando, mas se a droga continuar se mostrando eficaz e segura, haverá um grande e positivo impacto na vida das pessoas com a doença”, afirma o coordenador do estudo, Raphael Clynes.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).