Inicio » Educação » Em Minas Gerais, 438 mil estudantes estão fora da série adequada

Em Minas Gerais, 438 mil estudantes estão fora da série adequada

O número de matrículas em cursos para que estudantes repetentes voltem a cursar as séries adequadas caiu mais de quatro vezes em três anos em Minas Gerais. Cerca de 438 mil alunos do 1º ao 9º ano do ensino fundamental público e privado de todo o Estado não estavam na série adequada em 2013. No entanto, apenas 20,5 mil participaram de cursos de correção de fluxo – estruturados para ajudar os alunos que repetiram de ano.

MG - Em Minas Gerais, 438 mil estudantes estão fora da série adequada
MG – Em Minas Gerais, 438 mil estudantes estão fora da série adequada

Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), do Ministério da Educação (MEC), em 2010, eram 90,6 mil inscrições nessa modalidade pedagógica. Em 2011, o número caiu para 53 mil. Já em 2012, foram 41 mil e, em 2013, 20,5 mil. Pela legislação, o responsável pela escola deve oferecer os cursos.

Moradora de Ibirité, na região metropolitana de Belo Horizonte, a mãe de um adolescente de 14 anos, que repetiu de ano duas vezes, luta para a escola pública, em que o filho estuda, colocá-lo em um curso de reforço, mas ainda não conseguiu. “Pago aulas particulares de reforço escolar com muita dificuldade. É preciso deixar de fazer um passeio, deixar de comer peixe e não pagar a van para dar conta”, desabafa a mãe, que pediu anonimato.

Análise. Sobre a queda nas matrículas, o ex-secretário executivo do MEC e presidente do Instituto Alfa e Beto João Batista Araújo Oliveira acredita que há uma priorização de outras políticas na educação. No caso de Minas, o especialista considera que o governo está trabalhando para evitar a repetição de ano. “O esforço está mais na prevenção. Há uma atenção para a alfabetização e leitura”, explica.

Para o ex-secretário, o lado negativo da redução de cursos de correção de fluxo é que muitos estudantes despreparados não são retidos e acabam passando sem ter o conhecimento necessário. “Eles vão passando desapercebidos”.

Olivera pondera ainda que o governo não tem recursos para melhorar o ensino nos anos iniciais e ainda corrigir o descompasso série-idade de séries mais avançadas. “Não é que não há o problema. Mudou-se o foco. Há dez ou 15 anos, o número de alunos atrasados era muito maior”. Em 2010, eram 581.538 alunos com defasagem (19,3% do total da época), contra os 438.639 do ano passado. Oliveira salienta, no entanto, que o número de 2013, que representa 15,9% dos estudantes do Estado (no total são 2.758.741 em escolas públicas e privadas), ainda é alto. O ideal, para ele, seria de no máximo 10%.

Sobre investimentos, o MEC informou que não reduziu o dinheiro repassado aos governos estaduais e municipais para a realização de cursos de correção de fluxo.

Opções. Oliveira explica que há três formas principais de realizar cursos de correção de fluxo. O mais comum é retirar o aluno com dificuldade da série regular e formar uma turma especial. Depois de passar por um intensivo, o estudante volta para a série adequada à sua idade.

Outra forma é a chamada “dependência”. O estudante passa de ano, mas continua cursado uma ou mais disciplinas da série anterior. A terceira possibilidade é o reforço escolar.

Programas

Opção. A Secretaria de Estado de Educação informou que para os alunos que não conseguiram se formar na idade prevista, há o programa Educação de Jovens e Adultos (EJA). No ano passado, 233 mil estudantes estavam matriculados no projeto.

Acompanhamento.  O objetivo, de acordo com a pasta, é trabalhar para que o aluno aprenda no tempo certo. No ensino fundamental, existe um Programa de Intervenção Pedagógica, que promove ações de acompanhamento do aluno durante todo a sua trajetória escolar.

Prioridade.  A Prefeitura de Belo Horizonte informou que os programas de correção de fluxo são prioridade para o órgão.

 
 
------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

O responsável pela cirurgia o neurocirurgião César Felipe Gusmão Santiago

Montes Claros – Santa Casa de Montes Claros realiza cirurgia inédita para retirada de tumor cerebral

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 9 de dezembro de 2016.Montes Claros – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).