Inicio » Mais Seções » Ciência » Fungo argentino pode ajudar a conter dengue e chikungunya

Fungo argentino pode ajudar a conter dengue e chikungunya

Cientistas argentinos encontraram um fungo, adaptável a múltiplos hábitats, que destrói as larvas dos mosquitos transmissores da dengue e chikungunya, duas epidemias virais sem vacinas comerciais e cujo controle de baseia na prevenção.

Este fungo, denominado Leptolegnia chapmanii, pode sobreviver em águas turvas ou cristalizadas, com diferentes PHs, em temperaturas variáveis e é cultivável a baixo custo, razão pela qual aparece como uma promissora arma biológica.

Este fungo, denominado Leptolegnia chapmanii, pode sobreviver em águas turvas ou cristalizadas, com diferentes PHs
Este fungo, denominado Leptolegnia chapmanii, pode sobreviver em águas turvas ou cristalizadas, com diferentes PHs

Seu poder letal demonstrou eficácia em larvas de 15 espécies de mosquitos, entre elas a do “Aedes Aegypti” e do “Aedes Albopistus”, vetores da dengue, uma doença viral tropical que pode ser mortal em sua variação hemorrágica e que é endêmica em muitos países.

Estes mosquitos também são responsáveis pela propagação da febre chikungunya, declarada em julho como epidemia pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que denominou de “grave” a situação nas Américas, onde foram reportados 5.000 casos.

“Procuramos um inseticida biológico capaz de ser formulado para o controle da propagação”, explicou à AFP Juan García, doutor em Ciências Naturais encarregado da pesquisa na Universidade Nacional de La Plata, da qual participam oito cientistas argentinos e um colombiano.

A descoberta ocorreu quando se realizavam trabalhos de campo sobre micro-organismos que se reproduzem em águas paradas na periferia da cidade de La Plata, 60 quilômetros ao sul da capital federal, sede do estadual Centro de Estudos Parasitológicos e de Vetores (CEPaVe), chefiado por García.

“Nós o cultivamos em meios artificiais, começamos os testes de campo para determinar seu poder mortal e comprovamos que não afeta em nada nenhuma espécie de peixes, rãs ou outros seres vivos aquáticos, afeta apenas as larvas destes mosquitos”, disse.

O fungo é capaz de matar o inseto apenas em sua fase aquática e na fase de larva, na qual permanece por 10 dias, enquanto sua eficácia se debilita quando passa à fase posterior de pupa, anterior à etapa aérea.

“A pupa é muito dura para ser afetada pelo fungo, mas na fase de larva, seu poder pode ser mortal”, explicou.

AFP

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

O responsável pela cirurgia o neurocirurgião César Felipe Gusmão Santiago

Montes Claros – Santa Casa de Montes Claros realiza cirurgia inédita para retirada de tumor cerebral

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 9 de dezembro de 2016.Montes Claros – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).