Inicio » Internacional » Oriente Médio – Reino Unido identifica suspeito de decapitar jornalista

Oriente Médio – Reino Unido identifica suspeito de decapitar jornalista

James Foley desapareceu na Síria em 2012
James Foley desapareceu na Síria em 2012

Os serviços secretos do Reino Unido identificaram o jihadista britânico suspeito de ter decapitado o jornalista americano James Foley, segundo fontes governamentais citadas neste domingo pelo jornalThe Sunday Times.

De acordo com essas fontes, o serviço de contra-espionagem britânico MI5 e o serviço de espionagem MI6 revelaram que o jihadista é conhecido por outros militantes extremistas como “Jihadi John”.

O aparente assassinato de Foley, de 40 anos, e que foi sequestrado na Síria em novembro de 2012, foi divulgado em um vídeo em fóruns jihadistas pelo grupo Estado Islâmico (EI), no qual é possível ouvir o suposto executor da decapitação do jornalista falar em inglês com sotaque de Londres.

Apesar de as fontes oficiais citadas não apresentarem detalhes sobre esse homem, o jornal diz que um suspeito chave é Abdel-Majed Badel Bary, de 23 anos, que deixou sua casa no bairro de Maida Vale, no oeste da capital britânica, em 2013.

Em declarações a esse mesmo jornal, o ministro das Relações Exteriores, Philip Hammond, afirmou que a suposta origem britânica do jihadista representa uma “absoluta traição” aos valores do país.

Hammond declarou que seu governo investe “recursos significativos” para erradicar o que chamou de “barbárie ideológica” e que, segundo ele, pode ameaçar o Reino Unido.

O chefe da diplomacia britânica concordou com outros membros do governo de Londres ao opinar que a “ameaça” procedente de Síria e Iraque pode durar toda uma geração.

“É horrível pensar que o autor deste ato atroz pode ter sido educado no Reino Unido”, afirmou o chefe do ‘Foreign Office’.

Desde que o governo de coalizão de conservadores e liberais-democratas chegou ao poder, em 2010, mais de 150 cidadãos foram expulsos do Reino Unido por “comportamento inaceitável”.

James Foley era americano e tinha 40 anos. Repórter experiente, cobriu o conflito na Líbia, antes de viajar para a Síria, onde trabalhou na revolta contra o regime de Bashar al-Assad para o site de informações americano GlobalPost, para a Agência France-Presse (AFP) e outros meios de comunicação. O jornalismo era para ele uma segunda carreira, uma vez que se inscreveu na Escola de Jornalismo da Northwestern University, aos 35 anos. Anteriormente, ele foi professor e ensinou detentos a ler e escrever em várias prisões
James Foley era americano e tinha 40 anos. Repórter experiente, cobriu o conflito na Líbia, antes de viajar para a Síria, onde trabalhou na revolta contra o regime de Bashar al-Assad para o site de informações americano GlobalPost, para a Agência France-Presse (AFP) e outros meios de comunicação. O jornalismo era para ele uma segunda carreira, uma vez que se inscreveu na Escola de Jornalismo da Northwestern University, aos 35 anos. Anteriormente, ele foi professor e ensinou detentos a ler e escrever em várias prisões

EFE

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).