Inicio » Internacional » África » África – Crise do ebola deve piorar, diz presidente da Libéria

África – Crise do ebola deve piorar, diz presidente da Libéria

Surto matou 1.426 das 2.615 pessoas infectadas com o vírus, sendo que metade das mortes ocorreram na Libéria
Surto matou 1.426 das 2.615 pessoas infectadas com o vírus, sendo que metade das mortes ocorreram na Libéria

A crise causada pelo surto de ebola deve piorar nos próximos meses, alertou a presidente da Libéria nesta terça-feira (26), reconhecendo o estrago causado pela epidemia. “É improvável que estejamos no ápice da propagação do ebola”, disse a presidente Ellen Johnson Sirleaf, por e-mail, em resposta às questões do jornal The Wall Street Journal.

A epidemia, que tem prejudicado a política e a economia do pequeno país do oeste africano, confronta Sirleaf, de 75 anos, com uma crise importante dois anos antes do fim de seu mandato. O surto matou 1.426 das 2.615 pessoas infectadas com o vírus, sendo que metade das mortes ocorreram na Libéria. Seu governo tem sido criticado pela resposta relativamente lenta e autoridades enfrentam uma batalha crescente para conter a doença.

Nesta terça-feira, a presidente dispensou todas as autoridades que não acataram seu ultimato, publicado no começo de agosto, que pedia o retorno de todas as viagens estrangeiras, informou seu porta-voz, Jerolimnek Piah. Ele se recusou a dizer quantas autoridades foram cassadas.

Para Sirleaf, os relatos de liberianos negando a existência do ebola foram exagerados. “A vasta maioria dos liberianos está ouvindo o governo”, ela disse. “Só porque a mídia amplificou uns poucos incidentes nos quais civis não ouviram o governo e reagiram inapropriadamente essa não é a norma.”

A presidente disse, no entanto, que as medidas do governo para conter a doença estão funcionando. “Nós podemos ver o fim”, ela disse. Para controlar a epidemia, autoridades liberianas recorreram a medidas drásticas. Dois bairros altamente povoados foram postos em quarentena, ao mesmo tempo em que escolas foram fechadas e transformadas em centros de monitoramento para pessoas que apresentam sintomas de ebola.

“A maior preocupação para a maioria de nossos cidadãos não é que a doença tire suas vidas, mas que tire seu sustento”, afirmou Sirleaf. “O que é desolador é que os métodos que precisamos usar para combater a propagação do vírus – fechar fronteiras, erguer postos de controle e fechar todos os escritórios do governo não essenciais – prejudicam a atividade comercial e os negócios.”

Em seu e-mail, a primeira presidente mulher eleita da África defendeu os ganhos da Libéria em seu governo. O país estava apenas começando a reconstruir sua economia, após 14 anos de uma guerra civil na qual a Libéria perdeu 90% de seu Produto Interno Bruto (PIB). “Precisamos lembrar que, mesmo antes da epidemia de ebola, a economia da Libéria era encorajadora, mas ainda frágil” disse Sirleaf.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Cultura Moc - Festa Nacional do Pequi começa na próxima semana

Cultura Moc – Festa Nacional do Pequi começa na próxima semana

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 10 de dezembro de 2016.Cultura Moc – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).