Inicio » Política » Eleições 2014 » Eleições 2014 – Aécio diz que Mantega entrega economia em ‘quadro perverso’

Eleições 2014 – Aécio diz que Mantega entrega economia em ‘quadro perverso’

O candidato do PSDB à sucessão presidencial, Aécio Neves, acusou nesta sexta-feira (29) o atual ministro da Fazenda, Guido Mantega, de ter entregue um “quadro extremamente perverso” no período em que esteve à frente da economia brasileira.

Eleições 2014 - Aécio diz que Mantega entrega economia em 'quadro perverso'
Eleições 2014 – Aécio diz que Mantega entrega economia em ‘quadro perverso’

Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter

O tucano avaliou que o governo do PT terminou “antes da hora”, ao ter levando a economia a um cenário de recessão técnica no país.

“É triste, ao final do governo, o ministro da Fazenda entregar esse quadro extremamente perverso para os brasileiros, de recessão econômica e de inflação fora de controle”, afirmou.

De acordo com dados divulgados nesta sexta-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o PIB (produto interno bruto) brasileiro caiu 0,6% no segundo trimestre, na comparação com os três primeiros meses deste ano. Como o resultado do primeiro trimestre foi revisado para queda de 0,2% (contra alta de 0,2% informado anteriormente), segundo parte dos economistas, o país entrou em recessão técnica.

Segundo Aécio, o legado do atual governo será de crescimento e investimento baixos, com inflação e juros altos. Em entrevista, porém, Mantega negou que o Brasil tenha entrado em uma

CRÍTICA

O presidenciável também rebateu a crítica feita por Mantega ao ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga, que deve assumir o Ministério da Fazendo caso o tucano seja eleito presidente.
Sem citar nomes, Mantega acusou Fraga de não ter entregue a meta da inflação quando estava no comando do BC, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

“Tem um candidato [sic] que era presidente do Banco Central e que não entregou a meta de inflação”, disse Mantega, confundindo Aécio com Fraga.

“Não vejo nele [Mantega] autoridade para questionar quem quer que seja. No governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, a inflação era de 1.600% ao ano. Ela chegou a 7% em 2002, em razão do chamado ‘risco Lula'”, rebateu Aécio.

O candidato também aproveitou a discussão econômica para alfinetar a sua adversária Marina Silva (PSB), que o ultrapassou recentemente nas pesquisas de intenção de voto, ocupando o segundo lugar na corrida eleitoral. Segundo ele, o Brasil precisa de uma proposta de mudança, mas que seja “consistente”.

“Este modelo que está aí fracassou e nós é que temos as melhores condições de apresentar ao Brasil não apenas uma proposta de mudança, mas uma mudança consistente. Uma mudança clara para a retomada do crescimento, para o combate à inflação, e para a retomada do emprego”, disse.

Em agenda em São Paulo, Aécio participou nesta sexta de uma vistoria à Linha 15-Prata do Metrô (o monotrilho) ao lado do governador de São Paulo e candidato à reeleição no Estado, Geraldo Alckmin, que será aberta neste sábado (30) para visitas.

Folhapress
------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).