Inicio » Internacional » América » EUA – Teste de DNA inocenta dois negros americanos condenados há 30 anos

EUA – Teste de DNA inocenta dois negros americanos condenados há 30 anos

Dois americanos que passaram os últimos 30 anos na prisão foram inocentados graças a um recente teste de DNA.

EUA - Teste de DNA inocenta dois negros americanos condenados há 30 anos
EUA – Teste de DNA inocenta dois negros americanos condenados há 30 anos

Henry McCollum, de 50 anos, deixou na manhã desta quarta (3) a prisão central de Raleigh, na Carolina do Norte, após a Justiça americana reverter sua sentença de pena de morte na terça (2). Seu meio-irmão, Leon Brown, de 46 anos, condenado pelo mesmo crime, também foi solto nesta quarta de uma penitenciária no mesmo Estado, onde cumpria prisão perpétua.

McCollum falou com a imprensa na saída da prisão, pouco antes de entrar no carro de seu pai, onde um repórter teve de ensiná-lo a afivelar o cinto de segurança, que ele nunca havia usado.
“Eu apenas agradeço a Deus por ter me tirado desse lugar. Agora eu quero comer, quero dormir, e quero acordar amanhã e ver que isso é real”, disse.

Após 30 anos confinado, McCollum nunca usou um celular, e nunca havia acessado a internet até a semana passada.

O caso

Os dois foram condenados em 1983 pelo estupro e assassinato de uma menina de 11 anos em Red Springs, cidade com menos de 4 mil habitantes na Carolina do Norte.

Advogados de defesa criticaram a condenação, segundo eles baseada em confissões por coerção de dois adolescentes assustados e com problemas cognitivos, visto que ambos registraram QI abaixo de 51 em testes.

McCollum tinha 19 anos na época, e Brown, 15. Um recente teste de DNA realizado por uma agência do governo estadual em uma ponta de cigarro encontrada ao lado do corpo de Sabrina Buie revelou o DNA de Roscoe Artis, que morava a uma quadra do local do crime.

Artis confessou, semanas após o assassinato de Sabrina, em setembro de 1983, ter violentado e matado uma garota de 18 anos em Red Springs. Ele foi sentenciado à morte, mas depois teve a pena reduzida para prisão perpétua, que cumpre até hoje.

A Justiça estadual nunca explicou por que manteve o foco nos dois meio-irmãos, mesmo com o histórico de crimes sexuais de Artis e as semelhanças entre o relato de Artis e a morte de Sabrina.
Nenhuma evidência física ligava os dois ao crime, apenas a suspeita de um adolescente, que via McCollum e Brown, ambos negros, como “desajustados” na comunidade local.

McCollum foi interrogado por cinco horas pela polícia, sem a presença de um advogado. Ele afirma que, sob intensa pressão, contou a história de como ele e outros três jovens atacaram e mataram Sabrina, também negra, “para que os policiais me deixassem voltar para casa”.

Inicialmente, os dois meio-irmãos receberam penas de morte, depois revertidas. Em um segundo julgamento, McCollum foi novamente enviado ao corredor da morte, enquanto Brown foi sentenciado à prisão perpétua.

Folhapress
 
 
------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

MG - Jovem inventa que mãe está passando mal para estuprar vizinha

MG – Jovem inventa que mãe está passando mal para estuprar vizinha

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 5 de dezembro de 2016.MG – Jovem …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).