Inicio » Política » Eleições 2014 » Eleições 2014 – Campanha defende voto separado da religião

Eleições 2014 – Campanha defende voto separado da religião

A Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos (Atea) planeja colocar na rua uma campanha para dizer aos eleitores que deixem de lado a religião na hora de votar. O Estado teve acesso às mensagens que a Atea imprimiu em outdoors que devem ser espalhados, a partir de amanhã, em São Paulo, Rio, Belo Horizonte, Fortaleza, Porto Alegre e Florianópolis.

Eleições 2014 - Campanha defende voto separado da religião
Eleições 2014 – Campanha defende voto separado da religião

Siga-nos no Facebook Siga-nos no Twitter

São cinco placas diferentes. A que fala mais diretamente sobre eleição diz: “Não vote com fé. Use a razão”. A frase é acompanhada do desenho de uma cédula de votação com a imagem de uma cruz, símbolo cristão, sobreposta por um círculo vermelho cortado, que significa “proibido” na lei de trânsito. Outro outdoor exibe “Ateus, somos 2 milhões de eleitores”. A campanha também questiona a presença de símbolos cristãos em prédios públicos, como o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal. “Sua religião não é nossa lei”, diz outra placa. Todos os cartazes exibem o nome da Atea.

A campanha surge após os principais candidatos a presidente – Dilma Rousseff (PT), Marina Silva (PSB) e Aécio Neves (PSDB) – terem iniciado uma série de visitas a líderes religiosos. Os três já se reuniram com o presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), d. Raymundo Damasceno. Dilma também esteve com o bispo Edir Macedo, na inauguração do Templo de Salomão, sede da Igreja Universal do Reino de Deus em São Paulo.

Aécio esteve com o pastor José Wellington Bezerra da Costa, presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil. Marina, que é fiel da Assembleia de Deus, levou Eduardo Campos, que morreu num acidente aéreo no dia 13 de agosto e de quem era candidata a vice, para um encontro com pastores em São Paulo.

“A laicidade do Estado vem se deteriorando”, diz o presidente da Atea, Daniel Sottomaior. Ele afirma que, entre os cerca de 13 mil associados, há eleitores dos três concorrentes. Mesmo assim, critica o “périplo” dos candidatos pedindo apoio de religiosos. “Apoio não é de graça. Eles estão apoiando, esperando retorno, com doações ou financiamento de eventos religiosos.” Outra retribuição, diz, é no apoio a projetos da bancada evangélica, como os que envolvem temas como aborto e direitos gays.

O presidente da Atea diz não orientar o voto de seus associados, mas afirma que a candidata do PSB “deu um passo a mais” do que Dilma e Aécio no sentido de confundir Estado com religião. Segundo ele, o comportamento da petista e do tucano não foge do usual. “Beijam a mão de todos os cardeais.” Marina, no entanto, se destaca porque “é difícil saber qual é a linha dela”.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).