Inicio » Economia » HSBC é condenado em R$ 2 mi por espionar funcionários no PR

HSBC é condenado em R$ 2 mi por espionar funcionários no PR

A  Justiça do Paraná condenou o banco HSBC a pagar R$ 2 milhões, por danos morais coletivos, por ter espionado a vida privada de 152 empregados afastados por doenças relacionadas ao trabalho.

 Banco contratou a empresa Centro de Inteligência Empresarial para vigiar os funcionários em suas residências e segui-los pela cidade
Banco contratou a empresa Centro de Inteligência Empresarial para vigiar os funcionários em suas residências e segui-los pela cidade

Segundo o Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (TRT-PR), documentos comprovaram que, entre 1999 e 2003, o banco contratou a empresa Centro de Inteligência Empresarial para vigiar os funcionários em suas residências e segui-los pela cidade. O objetivo era criar dossiês sobre possíveis atividades dos trabalhadores durante o período de afastamento pelo INSS.

Com disfarces como de entregadores de flores e entrevistadores para pesquisas, os investigadores filmavam o interior das casas dos funcionários e as pessoas com as quais conviviam.

Em fevereiro deste ano, o banco havia sido condenado, em primeiro grau, a pagar indenização de R$ 67,5 milhões. O HSBC recorreu ao TRT-PR, pedindo que os valores indenizatórios fossem limitados a R$ 100 mil, com base nos princípios de razoabilidade e proporcionalidade.

O banco afirmou que as investigações foram legítimas em função da necessidade de descobrir se os funcionários estavam exercendo atividades extras durante o período de afastamento. Segundo o HSBC, relatórios do Tribunal de Contas da União naquela época indicavam a ocorrência de fraudes no sistema previdenciário.

A 6ª turma do TRT-PR considerou que o motivo alegado pela instituição financeira não justificava investigar praticamente todos os funcionários afastados por doença.

A Justiça diminui o valor de indenização para R$ 2 milhões levando em consideração que os fatos ocorreram há mais de uma década e não se repetiram mais, além de que não houve flagrante de empregados em situações vexatórias.

Desse valor, R$ 1,5 milhão deve ser repassado para o Hospital Evangélico de Curitiba e R$ 500 mil para a instituição Pequeno Cotolengo Paranaense. A corte também impôs multa de R$ 500 mil para cada nova investigação que o banco realizar.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Montes Claros – Confira os destaques policiais das últimas 24h

Montes Claros – Confira os destaques policiais das últimas 24h

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 7 de dezembro de 2016.Montes Claros – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).