Inicio » Minas Gerais » MG – Corregedor da Polícia Civil pede demissão de policiais envolvidos com esquema de propina

MG – Corregedor da Polícia Civil pede demissão de policiais envolvidos com esquema de propina

O Corregedor Geral da Polícia Civil, Renato Patrício, pediu a demissão de um delegado e dois investigadores por suspeita de peculato, extorsão e corrupção ativa. Eles são acusados de desviar dinheiro de fianças e de receber propina para não prender bandidos durante plantões em delegacias de Belo Horizonte.

Delegado plantonista João Maurício Penna Lamounier tinha uma BMW e um flat no bairro Cruzeiro
Delegado plantonista João Maurício Penna Lamounier tinha uma BMW e um flat no bairro Cruzeiro

O pedido de desligamento do delegado João Maurício Penna Lamounier, e o investigadores Wellington Pires Rodrigues e Ivan Ribeiro de Mello, publicado no Diário Oficial de Minas Gerais no último sábado (13), agora está a cargo do governador do Estado, Alberto Pinto Coelho (PP).

Wellington Rodrigues chegou a ser preso em janeiro de 2013 e foi solto tres dias depois por meio de uma liminar concedida pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) por ser réu primário, ter bons antecedentes e não representar ameaças às supostas vítimas e testemunhas dos crimes pelos quais estava sendo investigado.

Na época, alguns bens do delegado, que tinha cinco anos de corporação, incluía uma BMW, no valor de R$ 90 mil, e um flat no bairro Cruzeiro, na região Centro-Sul da cidade, de aproximadamente R$ 385 mil. Havia ainda a suspeita de que os bens teriam sido adquiridos com dinheiro “sujo”.

Crimes
 
A Corregedoria da Polícia Civil tomou conhecimento dos crimes através de policiais civis e vítimas que denunciaram e alegaram ter presenciado situações de extorsão e corrupção por parte do delegado. “Os crimes ocorriam durante os plantões nas delegacias regionais sul e noroeste, por exemplo, já que ele não tinha local fixo de trabalho.

Em alguns casos, ele embolsava os valores pagos pelas fianças, que não eram depositados nas contas judiciais do Fórum. Em outros, ele cobrava quantias em dinheiro para liberar traficantes, estelionatários. Os valores variavam de mil a R$ 3 mil.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).