Inicio » Montes Claros » Montes Claros – Cabo Melo é condenado a 16 anos de prisão

Montes Claros – Cabo Melo é condenado a 16 anos de prisão

Terminou no fim da tarde desta quinta-feira (18), no Fórum de Montes Claros, o julgamento de Laércio Soares de Melo, conhecido como cabo Melo. O militar foi condenado a 16 anos de prisão pelo assassinato de Francisco dos Santos Filho, o despachante Chiquinho.

Cabo Melo é condenado a 16 anos de prisão
Cabo Melo é condenado a 16 anos de prisão

O acusado chegou ao Fórum Gonçalves Chaves por volta de 08h45, acompanhado do advogado de defesa, e não quis falar com a imprensa.

O julgamento ocorreu após 4 anos e 9 meses desde que o despachante Chiquinho desapareceu em Montes Claros. O inquérito concluiu que ele foi assassinado pelo policial, que está preso desde março de 2012, em Belo Horizonte. foi absolvido pelo crime de ocultação do cadáver.

O advogado de defesa, Ernesto Queiroz de Freitas, afirmou que as acusaões não procedem. e vai recorrer da sentença.

Francisco dos Santos Filho, o despachante Chiquinho
Francisco dos Santos Filho, o despachante Chiquinho

Relembre o caso:

O militar Laércio Soares de Melo, o Cabo Melo, foi indiciado pela Polícia Civil por estelionato, falsidade ideológica e apropriação Indevida de bens de Chiquinho Despachante. Conforme noticiado no dia 22 de março de 2011, a família de Francisco Santos Filho, o Chiquinho Despachante, denunciou à Polícia Civil e esta buscou esclarecimentos a respeito da venda de uma casa de Chiquinho, situada na Rua Oito, no Bairro Canelas II, feita pelo militar a duas servidoras da Prefeitura de Montes Claros, em outubro de 2010. A casa já pertencia ao despachante desde setembro de 2009, quando comprou e pagou ao próprio cabo Melo, mas este não lhe deu a posse, pois “desapareceu” quatro dias antes da data marcada, contratualmente, para recebimento da posse da casa, onde o militar mantinha um irmão morando de favor na casa.

Os familiares somente tomaram conhecimento do negócio quando as supostas compradoras tentaram fazer a escritura e descobriram que a casa não pertencia mais ao militar. Durante o inquérito, descobriu-se que as compradoras também não pagaram o preço da casa e foi descoberto um emaranhado de negócios confusos feitos pelo militar, com fortes evidências da prática de estelionato e falsidade ideológica. Ainda durante as investigações, apurou-se que o militar também se apropriou de um veículo Pajero 1999/2000, placa KLE-8298, que pertencia ao despachante. A família denunciou o caso porque achou intrigante a segurança que o militar teve para vender um imóvel do despachante, sem se preocupar com o que seria feito se ele voltasse.

A apuração serviu para reforçar a suspeita de envolvimento do militar no desaparecimento de Chiquinho e, segundo informações não confirmadas, o caso já deixou de ser tratado como “desaparecimento” para ser tratado como homicídio e ocultação de cadáver.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

MG - Mortes por afogamento crescem 14% em Minas Gerais

MG – Mortes por afogamento crescem 14% em Minas Gerais

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 8 de dezembro de 2016.MG – Mortes …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).