Inicio » Norte de Minas » Norte de Minas – Frigorífico de Janaúba abre de novo suas portas gerando emprego e renda

Norte de Minas – Frigorífico de Janaúba abre de novo suas portas gerando emprego e renda

Este dia 17 de setembro é uma data mais do que importante na história de Janaúba e da região. Isso porque volta a funcionar o frigorífico desta cidade. Com o nome de Minerva Foods, o frigorífico de Janaúba segue os padrões de abate de animais com a carne bovina de qualidade atendendo os requisitos de exportação. O Sindicato dos Produtores Rurais de Janaúba se orgulha em ter, através da sua diretoria, se empenhado no intuito de proporcionar esta reabertura do frigorífico.

José Aparecido Mendes, presidente do Sindicato Rural, em visita ao frigorífico Minerva, na cidade de Janaúba.
José Aparecido Mendes, presidente do Sindicato Rural, em visita ao frigorífico Minerva, na cidade de Janaúba.

Desde julho de 2010, quando do fechamento do antigo frigorífico Kaiowa, foram feitas diversas ações de mobilização pelo Sindicato Rural de Janaúba na parte jurídica e também junto aos governos Federal e Estadual.

Depois de muita luta, após quatro anos de seu fechamento, a reabertura do Frigorífico de Janaúba finalmente se torna realidade. É uma conquista que proporciona o fortalecimento do setor agropecuário. Baseado nesse princípio de valorização do agronegócio, o presidente do Sindicato Rural de Janaúba, Zé Aparecido Mendes Santos, que também é presidente da Associação dos Sindicatos dos Produtores Rurais do Norte de Minas e do Jequitinhonha (Aspronorte), tem sido um efetivo defensor do retorno desse frigorífico que, inicialmente, começa com o abate de 300 a 450 cabeças/dia.

A expectativa é que no período de um ano de funcionamento o Minerva Foods deva atingir a plenitude da capacidade de abate da indústria de Janaúba com 1000 animais/dia gerando cerca de 1.000 empregos diretos e 3.000 indiretos, se transformando na maior empregadora e contribuidora de receita financeira para o município.

* Em outubro de 2010, o presidente do Sindicato Rural acompanhou a visita de dirigentes do Marfrig, Rodrigo Marçal e James krouder, inglês da área internacional e de viabilidade econômica e assessor de Marcos Molina, ao frigorífico de Janaúba. Também naquele mês houve a visita, depois de quase 20 anos, do ex-dono do Kaiowa, Jean Paul, à unidade janaubense.

* Em 8 de fevereiro de 2011, o líder rural Zé Aparecido Mendes foi recebido em audiência pela Secretária de Estado de Desenvolvimento, Indústria e Comércio de Minas Gerais, Dorothea Werneck, ocasião em que ele reiterou a necessidade da reabertura do frigorífico em solo gorutubano.

* No dia 7 de abril de 2011, o presidente do Sindicato Rural de Janaúba, Zé Aparecido, esteve em Brasília-DF, onde se reuniu com o Ministro da Indústria e Comércio, Fernando Pimentel, e mobilizou o Governo federal em favor da reativação do frigorífico de Janaúba.

* Em 20 de novembro de 2012, o presidente do Sindicato Rural, Zé Aparecido, manteve nova audiência com o Governo de Minas, através da Secretária de Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Dorothea Werneck, juntamente com o proprietário do frigorífico Mata Boi, Murilo Lemos Doragio, em busca de alternativas de reabertura do frigorífico. Essa reunião também teve a participação do então prefeito de Janaúba, José Benedito.

* Dia 28 de novembro de 2012, o presidente da Aspronorte e do Sindicato Rural se reuniu, em Janaúba, com o síndico da massa falida do Kaiowa para avaliar a unidade frigorífica objetivando a sua venda.

* No dia 18 de março de 2014, Zé Aparecido Mendes esteve reunido, em Belo Horizonte, com os proprietários do grupo Minerva Foods para negociar junto ao Governo de Minas a reabertura do frigorífico de Janaúba.

* Em 30 de abril de 2014, o presidente do Sindicato Rural recebeu, em Janaúba, o síndico Amador Bueno, da massa falida do Kaiowa, em cerimônia de repasse do frigorífico de Janaúba ao grupo Minerva Foods, que comprou a unidade por R$ 40 milhões em leilão realizado pela Justiça de São Paulo, em fevereiro de 2014.

A reativação do frigorífico de Janaúba tem sido um ato constante do Sindicato dos Produtores Rurais de Janaúba e da Aspronorte, representando a classe ruralista, com a mobilização pelo apoio dos governos estadual e federal com os quais manteve três audiências específicas pela retomada das atividades da unidade janaubense.

ÚLTIMO ROUND — Finalizadas as batalhas para a tão sonhada reabertura do frigorífico de Janaúba, o presidente do Sindicato Rural de Janaúba e da Aspronorte, Zé Aparecido Mendes, lembra que obteve também o apoio do Sistema FAEMG, da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), de deputados da bancada norte-mineira na Assembléia Legislativa e na Câmara Federal, Governo de Minas, prefeitura de Janaúba e do Ministério Público estadual, quanto ao empenho para que o frigorífico esteja em pleno funcionamento. Neste sentido, o presidente Zé Aparecido abre um parêntese para destacar o empenho do deputado estadual Luiz Henrique e do Governo de Minas para este fim.

Zé Aparecido sensibilizou empresários de vários frigoríficos do país, a investirem no frigorífico janaubense e intermediou junto à Justiça de São Paulo e ao representante jurídico do grupo Kaiowa pela flexibilidade quanto ao leilão da unidade de Janaúba, procedimento esse que se estendia por 24 anos.

Ao avaliar o investimento do grupo Minerva Foods em Janaúba, José Aparecido destaca que isso traduz num avanço social e econômico, pois o frigorífico, em atividade, é um dos maiores empregadores da região e que proporciona um incremento na economia, principalmente no aumento de arrecadação para o município por intermédio do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços).

Instalado entre os bairros Barbosa e Santa Terezinha, o frigorífico de Janaúba possui 217 mil metros quadrados dos quais são quase 54 mil metros quadrados de área construída. O frigorífico desta cidade foi implantado no final dos anos 70 com o nome de Frigodias (família Dias, do Norte de Minas). Na virada da década de 80 para 90 a unidade foi vendida para o grupo Kaiowa que, em 1997, decretou falência, e fechou todas as unidades. Houve várias tentativas pela reabertura, mas sem êxito. Nos últimos 10 anos o frigorífico em Janaúba retomou as atividades em duas vezes, via arrendamento. A primeira foi com o grupo Redenção, do Pará, em 2003. Depois com o grupo Independência, em 2006, com plantas industriais no Centro-Oeste brasileiro, e que chegou a abater 248 mil cabeças somente no ano de 2008. Agora, o frigorífico é reaberto pelo grupo Minerva Foods, novo proprietário da unidade agroindustrial, com a estratégia de negócios baseada na coerência, solidez e sustentabilidade com o frigorífico de Janaúba.

Informações oficiais do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), conforme a vacinação de maio de 2014, apontam que o Norte de Minas possuía mais de 2,8 milhões de bovinos em um raio de 300 quilômetros da indústria, abrangendo 89 municípios, o que viabiliza o funcionamento do frigorífico de Janaúba.

O grupo Minerva possui 11 frigoríficos no Brasil e no exterior cuja produção é exportada para mais de 100 países. O Minerva realiza o abate diário de 11,5 mil bois, gerando 11 mil empregos diretos no Brasil e na América do Sul. (Fonte: Assessoria de Imprensa do Sindicato dos Produtores Rurais de Janaúba).

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Jerusia Arruda

Coluna da Jerusia Arruda – Direto de Brasília

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 5 de dezembro de 2016.Coluna da Jerusia …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).