Inicio » Internacional » Oriente Médio – Interpol procura austríacas que teriam se unido ao Estado Islâmico

Oriente Médio – Interpol procura austríacas que teriam se unido ao Estado Islâmico


Reviewed by:
Rating:
5
On 20 de setembro de 2014
Last modified:20 de setembro de 2014

Summary:

Oriente Médio - Interpol procura austríacas que teriam se unido ao Estado Islâmico

A Interpol e a polícia da Áustria procuram por duas adolescentes austríacas que teriam fugido do país para se juntar a rebeldes do grupo radical Estado Islâmico na Síria. Na página da Interpol, as fotos de Samra Kesinovic, 16, e Sabina Selimovic, 15, são divulgadas na sessão de pessoas desaparecidas. Nas imagens, as jovens, que são filhas de imigrantes da Bósnia, aparecem usando véu islâmico.

Sumiço. Samra Kesinovic, 16, que é filha de bósnios e fugiu de Viena em abril, postou foto com véu
Sumiço. Samra Kesinovic, 16, que é filha de bósnios e fugiu de Viena em abril, postou foto com véu

Segundo a Interpol, as jovens, que moram em Viena, teriam desaparecido no dia 10 de abril. Jornais austríacos afirmam que a dupla foi para a Turquia e, de lá, cruzou a fronteira com a Síria. Elas postaram fotos em redes sociais usando burca e segurando armas.

No início da semana, o jornal “The Salzburger News” publicou uma notícia de que uma das jovens poderia estar morta. “Nós também recebemos essa informação e estamos verificando, mas não posso dizer com absoluta certeza que isso é verdade”, disse o porta-voz Alexander Marakovits, sem relatar qual das duas jovens seria.

Após a publicação, surgiram boatos de que Samra estaria grávida de um jovem checheno que também teria se juntado aos radicais islâmicos.

Preocupação. A maior preocupação das autoridades austríacas é conter a debandada de jovens, especialmente imigrantes vindos do Leste Europeu, para se juntar ao Estado Islâmico.

A Justiça alemã acusou um homem e duas mulheres por suposto apoio ao Estado Islâmico. Promotores federais informaram ontem em um comunicado que a principal suspeita, a cidadã alemã e polonesa Karolina R., 25, seria casada com um membro do grupo extremista. Ela é acusada de fornecer ao grupo câmeras e acessórios para produzir propaganda e receber em troca € 1.100 (R$ 3.341) por meio de um intermediário.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).