Inicio » Nacional » Brasil – Desvalorizada no Brasil, saúde básica é chave do sucesso de sistema britânico

Brasil – Desvalorizada no Brasil, saúde básica é chave do sucesso de sistema britânico

O Sistema Único de Saúde (SUS) foi criado no Brasil com a redemocratização do país e a promulgação da Constituição de 1988, tendo como uma de suas inspirações o sistema de saúde pública britânico, o NHS (National Health Service). A forma como cada sistema opera, porém, apresenta profundas diferenças.

Brasil - Desvalorizada no Brasil, saúde básica é chave do sucesso de sistema britânico
Brasil – Desvalorizada no Brasil, saúde básica é chave do sucesso de sistema britânico

Enquanto no Brasil, os médicos de formação generalista como clínico geral e o médico de família são pouco valorizados, no Reino Unido esses profissionais, chamados de general practitioners (GP) são o eixo central do atendimento.

Há 65,3 mil médicos registrados como GP (incluindo os sistemas público e privado), o que representa praticamente um quarto do total de médicos atuando no Reino Unido (267,5 mil). Do total de GPs, 61% atuam no serviço público, onde quase toda a população busca atendimento, inclusive pessoas com renda equivalente à classe média alta brasileira.

Não existe um equivalente direto ao GP no Brasil. Esse profissional está entre o que seria o médico de família e o clínico geral que atua em unidades de pronto atendimento.

A BBC Brasil mostrou nesta segunda-feira que existem apenas 4 mil médicos de família no país e que essa formação é estigmatizada dentro da categoria médica.

“É preciso valorizar a atenção básica de saúde no Brasil. No sistema britânico, é o oposto: há uma supervalorização do GP”, afirma o professor da USP Oswaldo Tanaka, que já morou no Reino Unido e estudou o NHS.

Atendimento

No sistema britânico, o paciente não marca atendimento com médicos especializados de acordo com seu problema, por exemplo cardiologista, endocrinologista, dermatologista, etc. Ele primeiro passa pelo GP, que decide então se o paciente deve ou não ser encaminhado para um especialista.

Mesmo no caso de a pessoa ter um seguro de saúde, ela deve passar primeiro por um GP que atue no sistema privado, que posteriormente encaminha o paciente para um especialista.”Não é como no Brasil, que você abre seu livrinho do plano de saúde, escolhe o médico especialista e vai lá direto”, explica a médica ginecologista Vânia Martins, que trabalhou quinze anos no setor público no Brasil antes de se mudar para Londres, onde atende em uma clínica privada e no NHS.

A forma de remuneração dos médicos e gestão dos recursos também é muito diferente da do SUS. Tanaka explica que o GP é como se fosse um prestador de serviço ao NHS, mais do que um funcionário assalariado. Ele é remunerado de acordo com os atendimentos que faz. Os residentes do Reino Unido devem se registrar em um GP na região em que moram, mas têm a opção de trocar de médico ou de clínica se assim desejarem, desde que na mesma região. Dessa forma, é de interesse do GP ter mais pacientes, pois assim ele receberá mais recursos.

Não há dados estatísticos sobre qual o tempo médio necessário para marcar uma consulta com um GP. Médicos e usuários ouvidos pela BBC Brasil disseram que é fácil conseguir um horário em poucos dias ou na mesma data, mas as consultas costumam ser breves, duram de dez a quinze minutos e, em geral, se resumem a uma conversa.

Comparação

O GP é quem vai encaminhar o paciente a um médico especialista ou para fazer um exame ou tratamento, por exemplo, e os recursos que pagam por esses serviços saem do orçamento público administrado por sua clínica, explica Tanaka. Dessa forma, o GP tende a só fazer o encaminhamento se tiver certeza de que é necessário. Por isso, muitas vezes as pessoas deixam de marcar a consulta se o caso não é grave.

“Esse modelo foi criado com as reformas implementadas pelo governo da Margaret Thatcher nos anos 1980. O GP precisa ser produtivo e atender metas, por isso as consultas são rápidas”, diz Tanaka.

Apesar das limitações, profissionais brasileiros que trabalham no NHS falaram à BBC Brasil sobre a importância desse modelo centrado no atendimento básico para garantir acesso à saúde para toda a população.

“Se você comparar os dois sistemas, ainda é melhor que o brasileiro. Aqui, você levantou passando mal, consegue uma consulta de emergência de dez minutos”, diz Vânia Martins.

Para ela, a pequena cobertura de saúde da família no Brasil acaba sobrecarregando as emergências.

“Se você tem um problema pequeno, o que você vai fazer numa emergência? Quando você não tem um sistema que absorve isso, essas bobeirinhas, digamos assim, que você pode tratar passando uma prescrição, uma injeção e mandar para casa, você sobrecarrega o sistema”.

“O que eu via no Brasil era gente que ia fazer uma tomografia na emergência, mas não era emergência. É que não conseguia fazer no outro lugar que deveria fazer do SUS”, afirma.

A enfermeira Ana De Stefano, que já atuou no sistema público brasileiro e hoje trabalha na maternidade do St. Peter’s Hospital (Chertsey), observa que, assim como os médicos de família, profissionais como ela também têm um papel mais relevante no Reino Unido do que no Brasil.

“Aumentar a qualificação e a responsabilidade dos enfermeiros também diminuiria a pressão sobre os médicos no Brasil”, acredita.

No Reino Unido, por exemplo, enfermeiros realizam o teste ginecológico papanicolau e exames de ultrassom, procedimentos que costumam ser executados por médicos no Brasil. Vânia Martins, que já trabalhou na Secretaria Estadual de Saúde do Rio e chefiou o Programa de Saúde do Adolescente do município de Belford Roxo (RJ), diz que procurou ampliar o papel dos enfermeiros na sua gestão, mas que há resistência dos médicos, que temem perder mercado.

A enfermeira Ana De Stefano destaca ainda o papel da parteira. Após estudar a prática por três anos, são elas que fazem os partos normais no Reino Unido, enquanto os médicos realizam as cesarianas, procedimento raro no sistema britânico.

NHS x SUS

O NHS emprega mais de 1,7 milhão de pessoas e quase metade é de profissionais de saúde, sendo cerca de 40 mil GPs e 370 mil enfermeiros. O sistema é aberto a toda a opulação residente no Reino Unido, que soma 63,2 milhões de pessoas.

De acordo com o Ministério da Saúde, o SUS conta com mais de 2 milhões de profissionais, dos quais mais de 184 mil são enfermeiros e 440 mil são médicos de diversas especialidades. Dentre eles, cerca de 113 mil são clínicos gerais. A população total do Brasil é de 203,1 milhões de habitantes.

De acordo com dados do Banco Mundial, o gasto público em saúde no Reino Unido é bastante superior ao brasileiro. As tendências, porém, são opostas. Enquanto os recursos destinados ao setor britânico têm recuado em proporção ao PIB (Produto Interno Bruto) nos últimos anos, no Brasil eles têm crescido.

Segundo a instituição, o total destinado por todas as esferas de governo à saúde passou de 3,8% do PIB brasileiro em 2009 para 4,3% em 2012, dado mais recente. No mesmo período, essa taxa passou de 8,2% para 7,8% no Reino Unido.

A crescente demanda por serviços devido ao envelhecimento da população e a redução dos gastos por causa do aperto fiscal do governo têm se refletido na piora da qualidade de alguns serviços na Grã-Bretanha.

Em abril deste ano, por exemplo, a quantidade de pessoas esperando por mais de 18 semanas por uma operação – prazo limite previsto no NHS – atingiu 3 milhões, maior número em seis anos.

BBC Brasil

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Cultura Moc - Festa Nacional do Pequi começa na próxima semana

Cultura Moc – Festa Nacional do Pequi começa na próxima semana

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 10 de dezembro de 2016.Cultura Moc – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).