Inicio » Nacional » Brasil – Bancários rejeitam proposta e entram em greve a partir do dia 30

Brasil – Bancários rejeitam proposta e entram em greve a partir do dia 30

Os bancários decidiram, em assembleia na noite desta quinta-feira (25), entrar em greve a partir do dia 30 de setembro. A paralisação foi aprovada em São Paulo (SP), Piracicaba (SP), Criciúma (SC), Campina Grande (BA) e Teresina (PI).

Brasil - Bancários rejeitam proposta e entram em greve a partir do dia 30
Brasil – Bancários rejeitam proposta e entram em greve a partir do dia 30

Na quarta (24), os sindicatos de Juiz de Fora (MG), Fortaleza (CE) já tinham decidido pela greve. No total, a Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro) representa 134 sindicatos no país, que realizam assembleias.

A categoria pede reajuste real (acima da inflação) de 5,8% e rejeitou a proposta dos bancos de aumento de 0,61% acima da inflação de 6,35% (INPC).

No ano passado, o reajuste alcançado foi de 8% -1,82% acima da inflação. A greve começa na próxima terça, menos de uma semana do primeiro turno da eleição presidencial e nos Estados. No ano passado, a greve durou 23 dias. Se isso se repetir, chegará próximo ao segundo turno da eleição, marcado para o dia 26 de outubro. A maior greve foi em 2004, quando a categoria parou por 30 dias.

Reivindicações

Segundo o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região (filiado à CUT), ocorreram sete rodadas de negociação com os bancos. O reajuste apresentado foi de 7% diante de uma inflação de 6,35%, o que representa ganho real de 0,61%. Para os pisos, a proposta dos bancos é de aumento de 7,5% -1,08% acima da inflação.

Além do reajuste, a categoria pede 14º salário, piso salarial no valor de R$ 2.979,25 (salário mínimo do Dieese), PLR (Participação nos Lucros e Resultados) de três salários base mais uma parcela adicional fixa de R$ 6.247. Também pedem vales alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche no valor de R$ 724, o salário mínimo nacional, entre outras reivindicações.

No país, há cerca de 500 mil bancários. A categoria é uma das poucas com convenção coletiva de validade nacional. Apenas em São Paulo, são 142 mil funcionários.

Segundo os bancários de São Paulo, a categoria conseguiu aumento real, no acumulado entre 2004 e 2013, de 18,3% -sendo de 3,08% (2010), 1,5% (2011), 2% (2012) e 1,82% (2013) acima da inflação.

“Os bancos que atuam no Brasil continuam tendo a mais alta rentabilidade de todo o sistema financeiro internacional. Somente os seis maiores tiveram lucro líquido de R$ 56,7 bilhões em 2013 e mais R$ 28,5 bilhões no primeiro semestre, graças em grande parte ao empenho e à produtividade dos bancários”, afirma Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do comando nacional de negociação dos bancários.

“A média dos ganhos reais das categorias que negociaram no 1º semestre foi de 1,54%. Os bancos têm rentabilidade bem mais alta que outros setores, com condições de aceitar as reivindicações dos trabalhadores. Não queremos só aumento real, mas melhores condições de trabalho”, disse Juvandia Moreira, presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região. Procurada, a Fenaban não quis comentar a decisão pela greve.

Folhapress
 

 

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

O responsável pela cirurgia o neurocirurgião César Felipe Gusmão Santiago

Montes Claros – Santa Casa de Montes Claros realiza cirurgia inédita para retirada de tumor cerebral

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 9 de dezembro de 2016.Montes Claros – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).