Inicio » Nacional » Brasil precisa de salários dignos para fortalecer saúde pública, diz médico espanhol

Brasil precisa de salários dignos para fortalecer saúde pública, diz médico espanhol

O Diretor do Centro Esther Koplowitz, unidade de pesquisa biomédica ligada ao Hospital Clínico de Barcelona, o professor e médico espanhol Vicente Arroyo Pérez viaja de duas a quatro vezes por ano ao Brasil há pelo menos duas décadas para ministrar palestras e cursos em sua área de especialidade, a hepatologia, ramo da Medicina que trata de problemas no fígado.

Diretor do Centro Esther Koplowitz, unidade de pesquisa biomédica ligada ao Hospital Clínico de Barcelona, o professor e médico espanhol Vicente Arroyo Pérez viaja de duas a quatro vezes por ano ao Brasil há pelo menos duas décadas para ministrar palestras e cursos em sua área de especialidade, a hepatologia, ramo da Medicina que trata de problemas no fígado.
Diretor do Centro Esther Koplowitz, unidade de pesquisa biomédica ligada ao Hospital Clínico de Barcelona, o professor e médico espanhol Vicente Arroyo Pérez viaja de duas a quatro vezes por ano ao Brasil há pelo menos duas décadas para ministrar palestras e cursos em sua área de especialidade, a hepatologia, ramo da Medicina que trata de problemas no fígado.

Conhecedor da situação médica brasileira, Arroyo diz que a chave para melhorar as condições da saúde pública no país seria possibilitar que os profissionais trabalhassem de maneira integral nos hospitais públicos, o que só seria possível com um aumento nos salários.

“A dedicação dos médicos nos hospitais públicos não é integral. Ao contrário, até em hospitais brasileiros bons, os médicos dedicam poucas horas do dia (ao hospital) e acabam tendo de trabalhar na rede particular”, diz o médico.

Ele lembra que a Espanha já enfrentou situação parecida, mas que um aumento nos salários dos profissionais de saúde fez com que mais médicos passassem a se dedicar integralmente ao serviço público.

“Na Espanha, há pouca atividade privada, a maioria dos médicos trabalha com salário satisfatório”, afirma.

A crise econômica pela qual passa o país europeu, no entanto, está gradualmente revertendo a situação.

“Agora começa a haver esse problema outra vez. Com a crise econômica no país, os salários começam a não ter a mesma capacidade aquisitiva, então os médicos, de alguma maneira, vivem pior. Se isso se deteriora um pouco mais, talvez voltará a ser como antes”, diz.

Gestão

Arroyo Pérez observa que existe uma heterogeneidade das unidades de saúde no Brasil, onde “há hospitais magníficos e outros deficientes”.

Para o espanhol, essas diferenças estão relacionadas a diferentes formas de se gerir os centros de saúde, com alguns funcionando sob gestão federal e outros administrados por Estados e municípios.

Ele opina que o modelo mais centralizado de gestão da saúde na Espanha tem algumas vantagens em relação ao modelo brasileiro.

“Não é como na Espanha, onde os hospitais apresentam praticamente o mesmo padrão, recebem a mesma quantidade de dinheiro do governo central e trabalham sob uma organização similar. No Brasil, essas questões são absolutamente variáveis”, afima o médico espanhol.

“(No Brasil) há hospitais com padrão de qualidade europeu, mas isso depende da riqueza de cada Estado, do dinheiro que investem e da organização especial que há em cada unidade de saúde”, pontua.

O médico está constantemente em contato com profissionais brasileiros que fazem residência no hospital em que trabalha, graças a um convênio entre a Universidade de Barcelona e a Universidade de São Paulo (USP).

Ele não poupa elogios ao Hospital das Clínicas de São Paulo. Segundo ele, o HC está ligado a uma boa faculdade de Medicina (da Universidade de São Paulo), investe em pesquisa e tem programas muito avançados de assistência. “Também tem programas de cirurgia extraordinários para a formação médica”, diz.

“Mas São Paulo não é representativo do Brasil, pois é uma região mais rica”, diz.

Dificuldades

Arroyo, no entanto, afirma que com a crise econômica, a situação da saúde pública na Espanha também passa por problemas, que afetam diretamente médicos e pacientes.

“Os orçamentos, que já eram apertados, diminuíram cerca de 15%”, estima.

Em função disso, ele conta que o mercado para profissionais de saúde está mais restrito, as contratações são menores e muitos médicos jovens e pesquisadores emigram por falta de expectativas de uma carreira satisfatória no país. “Mas é uma minoria que vai embora”, ressalva.

“Ainda assim, em geral, a qualidade média dos hospitais espanhóis é homogênea e é mais alta que a média dos hospitais brasileiros”, compara o professor.

Arroyo observa que a crise provocou uma queda no interesse de profissionais de saúde estrangeiros em trabalhar na Espanha. “Vinham muitos médicos da América Latina para trabalhar, agora menos”, diz.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

MG - Jovem inventa que mãe está passando mal para estuprar vizinha

MG – Jovem inventa que mãe está passando mal para estuprar vizinha

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 5 de dezembro de 2016.MG – Jovem …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).