Inicio » Economia » Oferta de crédito recua, apesar de estímulos do Banco Central

Oferta de crédito recua, apesar de estímulos do Banco Central

Mesmo com as medidas anunciadas pelo Banco Central nos últimos dois meses para estimular a oferta de crédito, em especial a compra de automóveis, o setor não conseguiu decolar em agosto. Ao contrário, o crédito para veículos recuou pelo sétimo mês consecutivo e foi apontado como o principal freio na expansão dos empréstimos às pessoas físicas em geral.

O crédito para veículos recuou pelo sétimo mês consecutivo e foi apontado como o principal freio
O crédito para veículos recuou pelo sétimo mês consecutivo e foi apontado como o principal freio

Apesar disso, o governo acredita que os efeitos virão até o fim do ano e serão sentidos, justamente, nas vendas de carros.

Em agosto, quando o BC praticamente impôs aos bancos uma meta de expansão de 20% nas carteiras de veículos em relação ao primeiro semestre, o recuo no estoque do crédito foi de 0,3% em relação a julho – para um total de R$ 184,6 bilhões. Em 2014, a queda chegou a 4,2% até o mês passado.

O chefe do Departamento Econômico do BC, Tulio Maciel, admitiu que o crédito para veículos tem segurado a expansão do financiamento total para pessoa física. “O crédito para veículos que cresceu de forma expressiva em anos anteriores, está recuando e segurando a expansão de crédito para pessoa física. A modalidade agora se ressente dessas antecipações”, disse Maciel. A expansão foi de 14% em 2009; 50% em 2010; 27% em 2011; e 9% em 2012. Em 2013, houve queda de 0,2%.

Maciel avaliou que o impacto das medidas anunciadas pelo BC em julho e agosto para expandir a oferta de crédito deve ficar mais claro nesse segmento, mas, de qualquer forma, será “moderado”.

Para este ano, o BC manteve a projeção de crescimento do crédito total em 12%, como já esperava em junho. Maciel reforçou que as medidas para estimular o crédito foram importantes para evitar que a estimativa fosse puxada para baixo.

A economista-chefe da Rosenberg & Associados, Thaís Zara, avalia que a tendência de recuo será mantida. “As medidas devem aliviar um pouco a situação do crédito, mas não devem ser suficientes para reverter a trajetória de retração do crédito livre em termos reais.”

O BC também revisou as projeções para cada tipo de banco: a oferta de crédito pelos bancos privados estrangeiros aumentará 6% este ano, e não mais 9% como previsto anteriormente. Para os bancos públicos foi mantida a projeção de 17% de crescimento e, para os privados nacionais, passou de 6% para 7%.

O estoque de crédito subiu 1% de julho para agosto, para um total de R$ 2,86 trilhões. Apenas considerando o volume dos recursos livres, sem subsídios, a elevação foi de 0,5% no período (R$ 1,5 bilhão). Mas, quando comparado ao mesmo mês do ano anterior e descontada a inflação do período, este foi o terceiro recuo consecutivo.

Considerando o crédito livre, a taxa média de juros apresentou leve recuo em agosto (de 32,3% para 32,2%), assim como o spread, que passou de 21,4 pontos porcentuais para 21,2 pontos – o spread é a diferença da taxa obtida pelos bancos e cobrada a seus clientes.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Montes Claros – Confira os destaques policiais das últimas 24h

Montes Claros – Confira os destaques policiais das últimas 24h

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 7 de dezembro de 2016.Montes Claros – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).