Inicio » Economia » Usuário pagará R$ 26,5 bi que governo emprestou às elétricas

Usuário pagará R$ 26,5 bi que governo emprestou às elétricas

O empréstimo bancário de R$ 17,8 bilhões tomado pelo governo para socorrer as distribuidoras de energia – cujos gastos subiram por conta da falta de chuvas, que secou os reservatórios das hidrelétricas de todo o país – vai custar R$ 26,6 bilhões aos consumidores. A informação está em um relatório do Tribunal de Contas da União (TCU) ao qual o portal de notícias “G1” teve acesso.

Prejuízos com secas e preço da energia vão anular já em 2015 esforço para reduzir conta em 20%
Prejuízos com secas e preço da energia vão anular já em 2015 esforço para reduzir conta em 20%

A diferença de R$ 8,8 bilhões, aponta o documento do TCU, se refere aos custos bancários da operação, ou seja, aos juros, que também serão pagos pelos consumidores. Pela regra definida pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o empréstimo será repassado às contas de luz dos brasileiros entre 2015 e 2017.

Consultorias apontaram que as tarifas médias de energia em todo em todo o país podem aumentar entre 20% e 30% apenas no ano que vem, por conta dessa fatura. Segundo o relatório do TCU, no primeiro ano serão repassados às contas de luz R$ 5,9 bilhões. Em 2016 serão R$ 13,3 bilhões e, em 2017, outros R$ 7,4 bilhões, totalizando os R$ 26,6 bilhões. O empréstimo será pago em 34 parcelas.

Essa operação financeira faz parte de um plano anunciado pelo governo em março, em meio a uma crise no setor elétrico provocada pela disparada no custo da energia no Brasil. O dinheiro veio socorrer as distribuidoras, que alegavam não ter recursos para fazer frente aos gastos extras bilionários. Eles vieram por conta da estiagem, que obrigou o ligamento das térmicas, que produzem energia mais cara e pelo preço da energia no mercado à vista, outra consequência da estiagem.

TCU classificou como “assombrosas” as cifras relativas ao fundo setorial que banca o programa de redução da conta de luz. A área técnica do órgão calculou que as despesas da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) chegarão a R$ 61 bilhões entre 2012 e o fim deste ano, como consequência da Medida Provisória 579 de 2012, que mudou o marco regulatório do setor.

Segundo o órgão, até o fim de 2015, o desconto médio de 20% na conta de luz estará anulado por conta dos repasses para o consumidor dos custos extras das companhias. Esse rombo bilionário será repassado em reajuste para o consumidor. O empréstimo de 17,8 bilhões, com juros, vem para sanar parte desse rombo.

Por que elas precisam de ajuda?
Cemig

R$ 740,9 milhões (lucro líquido)

Light
R$ 15,3 milhões (lucro líquido)

Eletropaulo
R$ 354,4 milhões (prejuízo líquido)

Copel
R$ R$ 248,3 milhões (lucro líquido)

CPFL
R$ R$ 164,6 milhões (lucro líquido)

*No segundo trimestre de 2014

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Cultura Moc - Festa Nacional do Pequi começa na próxima semana

Cultura Moc – Festa Nacional do Pequi começa na próxima semana

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 10 de dezembro de 2016.Cultura Moc – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).