Inicio » Nacional » Brasil – Risco de ebola chegar ao Brasil é de 5%, diz estudo

Brasil – Risco de ebola chegar ao Brasil é de 5%, diz estudo

A probabilidade de a epidemia de ebola chegar ao Brasil até o fim do mês é de 5%, colocando o país em último lugar em uma lista de 30 nações com maior risco elaborada por pesquisadores da Northeastern University, de Boston, nos Estados Unidos

Enfermeira infectada pelo ebola é levada para um hospital na Espanha
Enfermeira infectada pelo ebola é levada para um hospital na Espanha

O percentual é o maior entre países latino-americanos, mas ainda assim considerado baixo pelos autores do estudo.

Segundo o pesquisador brasileiro Marcelo Gomes, um dos autores do estudo, em um segundo cenário analisado, quando se leva em consideração uma redução de 80% no tráfego aéreo internacional entre o Brasil e os países da África Ocidental mais afetados pela doença, a probabilidade de o Brasil registrar um caso cai para cerca de 1%, fora da lista dos 30.

“Nosso entendimento é de que o cenário mais adequado, no momento, é esse, o que leva em conta a redução de 80% no tráfego aéreo”, disse Gomes à BBC Brasil.

“Isso por conta da atual notoriedade pública dos riscos associados a esta doença, o que leva a população a evitar viagens aos países afetados, naturalmente reduzindo o tráfego aéreo entre os países”, ressalta.

O coordenador da pesquisa, Alessandro Vespignani, reforça que a probabilidade do Brasil é muito baixa.

“Se você está no grupo dos 1%, obviamente sua probabilidade é muito baixa e é bem provável que você não registre importação de casos. Mas não existe a probabilidade zero”, disse Vespignani à BBC Brasil.

Vespignani acredita que, caso o ebola seja diagnosticado no Brasil, seria um surto de pequenas proporções. “Poderia haver transmissão no lar do paciente, ou entre as equipes de primeiros-socorros. Então poderia se esperar dois ou três casos no máximo.”

Risco global

Se no Brasil o risco é considerado baixo, na Europa é relativamente alta a probabilidade de que alguns países sejam atingidos pela epidemia até o fim do mês.

Na França, chega a 65%. Na Grã-Bretanha, é de 50%. Caso haja restrições ao tráfego aéreo, essas probabilidades caem para 25% na França e 15% na Grã-Bretanha.

Para mapear o risco global de contágio por ebola os pesquisadores vêm analisando informações sobre 220 países, avaliando padrões de dispersão da doença e dados sobre tráfego aéreo, já que o grande fluxo de passageiros ao redor do mundo pode facilitar a dispersão do vírus.

Segundo Gomes, é exatamente o tráfego aéreo mais intenso, principalmente nos aeroportos do Rio e de São Paulo, que fazem com que a probabilidade calculada para o Brasil seja maior do que a de outros países latino-americanos.

O estudo foi divulgado inicialmente pela publicação científica PLoS Current Outbreaks no mês passado e tem sido constantemente atualizado, já que os riscos mudam a todo momento.

Os dados mais recentes, atualizados nesta segunda-feira, calculam a possibilidade de países importarem casos da doença até 31 de outubro.

Evolução

O atual surto de ebola, iniciado em março, já infectou 7,5 mil pessoas e causou 3,4 mil mortes. Os principais países afetados são Libéria, Serra Leoa e Guiné, na África Ocidental. Também já foram registrados casos na Nigéria e no Senegal.

Na semana passada, os Estados Unidos anunciaram o primeiro caso de ebola diagnosticado em seu território. O paciente é um liberiano que viajou ao Texas e só apresentou sintomas dias depois de chegar ao país.

Nesta segunda-feira, a Espanha confirmou que uma enfermeira diagnosticada em Madri foi a primeira pessoa a contrair o vírus fora da África.

De acordo com Vespignani, nos dados mais recentes do estudo pode-se observar uma pequena redução na probabilidade da maioria dos países em relação aos resultados anteriores, da semana passada.

“Pode ser porque alguma intervenção no local (na África Ocidental) esteja surtindo efeito. Outra possibilidade, menos encorajadora, é a de que em algumas áreas a situação esteja tão difícil que não seja mais possível contar os casos de maneira apropriada, e a redução seria exatamente porque casos não estariam sendo notificados.”

O pesquisador ressalta que a única maneira de fazer com que as probabilidades caiam para zero é resolver o surto na África Ocidental.

“Não há outra maneira. Restrições de viagens só estarão adiando (a dispersão da doença) em três ou quatro semanas”, adverte.

BBC Brasil

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).