Inicio » Colunistas » Adilson Cardoso » Coluna – Nosso Crime Histórico

Coluna – Nosso Crime Histórico

Falando sério. Às vezes fico assim matutando sobre nós, pessoas de carne, osso, ganância e maldade interior. Lembro-me que certo poeta apocalíptico desnaturado dissera certa vez que a raça humana não dera certo, que os Dinossauros se mataram ao saber que o homem passaria a existir. Pelos números apontados na estrada desta existência de horrores, da próxima vez que o mundo se acabar (dizem que será com fogo) Deus com certeza  mandará o escolhido construir uma fortaleza de madeira pintada com esmalte sintético diluído em gasolina. Para inicio de conversa não há satisfação eterna de ninguém com ninguém que permanece por  muito tempo um ao lado do outro, o interior de todo ser é dotado de mecanismos que necessitam de novidades, unem-se pessoas ameaçadas pela igreja ou conceitos arcaicos de que qualquer outro pensamento ou desvio fora daquela união será passível de pagamento pós-vida, a alma se arderá no fogo dos infernos. Alguns preferem pagar para ver outros ficam mergulhados na falta de “animo” mastigando aquele engodo  com um sorriso amarelo se dizendo feliz por fora, já que o interior se encontra desarticulado e sem olhos para algo que não seja  a triste sina. Entregamos-nos por qualquer vil metal para ascendermos ao poder, apontamos o outro como avarento e não conseguimos pensar em outra coisa senão em lucros e vantagens. Somos Socialistas incapazes de levantar numa noite fria e sair com uma caneca de café quente para oferecer ao camarada que padece no ermo. Nossas dividas que nos darão retorno a frente, pagamos sempre com entusiasmo, aquela que talvez não precise contrair novamente são esquecidas. Amamos a natureza e misturamos o lixo dentro de casa (o lixeiro que se vire) jogamos papeis e latas da janela do carro (o problema é do gari). Vivemos sonhando dentro de um coletivo, em conquistar a chance de ser alguém melhor que um simples qualquer, quando conseguimos dar o primeiro passo, esquecemos aquele coletivo e nos agarramos a pessoas que nunca sequer nos olharam. Unimos-nos contra o sangue da mesma cor  feito capitães do mato  quando queremos galgar degraus no trabalho. Falamos o que não vimos para prejudicar aquele que não nos simpatiza. Fechamos a janela para não ouvir alguém pedindo socorro e reclamamos quando nossas dores não são ouvidas. Pedimos que Deus nos proteja e nos leve para o céu, os outros que se virem lá pelos quintos dos infernos, A revolução é linda, pegar em armas, levantar-se contra os poderes instituídos massificadores é cinematográfico, mas dentro do ônibus sentamos nas cadeiras de prioridades e dormimos o sono dos injustos para não enxergar o rosto cansado da idosa nos perguntando por quê. Fizemos uma transição forçada, cruel e covarde da Monarquia para a Republica, apanhamos, fomos torturados e votamos sob o porrete do Coronel, batemos palmas alienadamente para Vargas vendo Prestes ser alijado e os “Levantes” sufocados, matamos Jango. Lutamos ao mesmo tempo aceitamos a Ditadura Militar, gritamos quando chegaram as Diretas, Tancredo se foi. Recessões, desempregos, impeachment, até nossos aposentados serem chamados de “VAGABUNDOS”. Uma estrela brilhou e por tantos anos em baixo de pés opressores e entreguistas conquistamos o poder… Mesmo assim, algumas das bocas que antes não tinha o que mastigar, cuspia injurias levados pelo antigo cabresto e mais uma vez houvera conquistas, todavia, infelizmente mais uma vez nós estamos querendo voltar a antiga masmorra. Estamos querendo assistir uma nova ascensão dos Estados Unidos e quem era da roça, pegar o “Pau-de-arara” de volta já que nem o Trem do Sertão nos restou.

Por Adilson Cardoso

Adilson Cardoso
Adilson Cardoso
------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Jerusia Arruda

Coluna da Jerusia Arruda – Direto de Brasília

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 5 de dezembro de 2016.Coluna da Jerusia …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).