Inicio » Política » Eleições 2014 » Eleições 2014 – Base governista de Dilma cresce, mas pode aderir a Aécio

Eleições 2014 – Base governista de Dilma cresce, mas pode aderir a Aécio

Os nove partidos que apoiam formalmente a reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT) elegeram 304 deputados federais, mais que o dobro dos 138 deputados eleitos pelas dez siglas reunidas em torno do oposicionista Aécio Neves (PSDB).

Eleições 2014 - Base governista de Dilma cresce, maEleições 2014 - Base governista de Dilma cresce, mas pode aderir a Aécios pode aderir a Aécio
Eleições 2014 – Base governista de Dilma cresce, mas pode aderir a Aécio

No entanto, na avaliação de líderes partidários ouvidos pelo jornal O Estado de S. Paulo, não é possível dizer que esse alinhamento será mantido após o 2º turno da eleição presidencial. “A tendência é que qualquer um que ganhe conquiste a governabilidade, ou a maioria. Talvez não no início do governo mas logo depois”, afirma o deputado reeleito Maurício Quintella Lessa (PR-AL), cujo partido integra a coligação de Dilma.

“É natural que o resultado das urnas se encarregue de rearrumar o processo político”, diz o também reeleito Eduardo da Fonte (PP-PE), campeão de votos em seu Estado. O PP também está no barco dilmista nesta eleição.

A disposição dos partidos de mudar de lado para sempre estarem alinhados ao poder não é novidade. Um exemplo recente foi dado pelo PTB. Em 2010, o partido apoiou formalmente a candidatura de José Serra (PSDB) contra Dilma.

Três meses depois de encerrada a eleição, a sigla já fazia parte da base de apoio à governante petista no Congresso. Agora, em 2014, o PTB virou novamente as costas para o PT e entrou na coligação de Aécio.

Mesmo o PSD, partido que está na coligação de Dilma, deve colocar em discussão sua adesão ao eventual segundo governo da petista. Um de seus deputados reeleitos, José Carlos Araújo (BA) afirma que o PSD, apesar de apoiar a reeleição de Dilma, esteve fragmentado nos Estados. “Vamos ver como vai ser feito isso”, afirma Araújo.

Segundo ele, o partido pode até continuar declarando sua atuação no Congresso “independente” do governo e da oposição, assim como fez desde sua criação em 2011.

HISTÓRICO – O comportamento das siglas nas últimas eleições gerais no Brasil mostra movimentações das siglas do espectro partidário. PTB e PP compõem junto com o PMDB um grupo que se adaptou às mudanças partidárias das últimas décadas e conseguiu se manter perto do poder.

Em 1995, quando Fernando Henrique Cardoso (PSDB) tomou posse como presidente da República, PMDB, PP e PTB faziam parte de sua base de sustentação ao lado do PSDB e do PFL (que se chama DEM desde 2007). Na ocasião, essa composição deu a FHC uma base com 376 deputados.

Depois, em 2003, quando assumiu o poder Luiz Inácio Lula da Silva (PT), principal adversário político do PSDB, os três partidos não estavam na base governista. Lula conseguiu, na ocasião, o apoio de 13 partidos que reuniam 254 deputados. Mas, ao longo do governo, Lula e o trio se aproximaram. Na segunda posse, em 2007, todos já estavam na base lulista formada por 11 partidos e 353 deputados.

Em 2011, na posse de Dilma, ela também contava com o apoio dos três para formar, novamente, uma base com 11 partidos e, desta vez, com 373 deputados.

2014 – Neste ano, a coligação de Dilma é formada por PT, PMDB, PSD, PP, PR, PRB, PDT, Pros e PCdoB, que conseguiram eleger 304 deputados. A coligação de Aécio é composta por PSDB, DEM, PTB, PTN, PMN, PEN, PTC, PTdoB e Solidariedade, que conseguiram 128 deputados.

O presidente nacional do PPS, Roberto Freire, já declarou que sua sigla deve apoiar o tucano no 2º turno e, caso ele vença, fará parte da base governista, acrescentando mais 10 deputados ao grupo aecista.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).