Inicio » Norte de Minas » Norte de Minas – Cadeia pública de Grão Mogol corre o risco de ser interditada

Norte de Minas – Cadeia pública de Grão Mogol corre o risco de ser interditada

A cadeia pública de Grão Mogol corre o risco de ser interditada, medida que já foi solicitada pela Promotoria Pública, “tendo em vista a insegurança” e o reduzido número de agentes penitenciários para atendimento de 35 detentos, a maioria deles de fora. Há pelo menos um pernambucano de Recife, segundo informou o agente Sulivan Costa, que foi ontem à Câmara Municipal de Grão Mogol denunciar “a grave situação vivida pelos agentes penitenciários”.

A situação da cadeia pública foi tema de um requerimento apresentado pelo vereador Paulo Tiago Martins ao presidente da Câmara Municipal, Edmundo Martins da Rocha. Segundo ele, “para a realização das escoltas dos detentos da SUAP é a indicada, e ainda não foi instalada pelo secretário de Estado de Defesa Social na nossa Comarca, sendo realizado precariamente pela Polícia Militar”.

O prefeito de Grão Mogol, Jéferson Augusto de Figueiredo disse estar ciente do problema da cadeia pública e que já acionou a Secretaria de Estado de Defesa Social (SEDs) para resolver o problema. Disse que conversou com a delegada de polícia local e pediu urgência na solução, que na opinião dele está relacionada com a efetivação de mais agentes penitenciários para a Comarca.

Como informou o vereador Paulo Tiago ao presidente da Câmara Municipal, os agentes penitenciários “não estão gozando férias, vem enfrentando uma escala de revezamento muito abusiva e não estão recebendo a alimentação a que têm direito”.

O vereador passou a palavra ao agente penitenciário Sulivan, que resumiu a situação da cadeia municipal, dos agentes e dos presidiários em poucas palavras. Além da insegurança promovida pela falta de agentes, “os presos recebem às 8h um pão simples e um pouco de café; esperam até o meio-dia o almoço e jantam às 18h”.

A vereadora Sandra Rosa considerou “bem triste” a situação relatada, principalmente depois que o agente Sulivan disse que acontece de “uma mulher (agente) desarmada tomar conta dos presos”. Ao que o vereador Antônio Messias destacou o fato de Grão Mogol ser privilegiada no aspecto de dificultar fuga por causa da sua localização geográfica. “A cadeia fica dentro da serra”, disse. Messias completou com a cobrança mais atenção para “o aspecto humano do problema”.

O vereador Edmundo Martins da Rocha, presidente da Casa, pôs em votação o requerimento do vereador Paulo Tiago e foi aprovado o encaminhamento do pedido à Comissão de Segurança da Casa para “encontrar uma solução urgente para o problema”.

Ao final, o vereador Alcyr de Oliveira exaltou a “coragem do agente Sulivan de ter ido à Câmara Municipal para denunciar a situação da cadeia pública”. Ele estava acompanhado de outros agentes, na ocasião. E o vereador Alex Lemos de Oliveira sugeriu a ida de uma comissão a Belo Horizonte a fim de contatar a Secretaria de Estado de Defesa Social em busca de solução mais rápida.

Por Alberto de Sena Batista

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

VLI abre vagas para programa Jovem Aprendiz em Montes Claros

VLI abre vagas para programa Jovem Aprendiz em Montes Claros

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 8 de dezembro de 2016.VLI abre vagas …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).