Inicio » Política » Senador Aécio Neves retorna ao Congresso com promessa de liderar oposição

Senador Aécio Neves retorna ao Congresso com promessa de liderar oposição

Cercado por militantes e aliados políticos, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) retornou nesta terça-feira (4) à cena política depois da derrota nas eleições para a Presidência da República.

Senador Aécio Neves retorna ao Congresso com promessa de liderar oposição
Senador Aécio Neves retorna ao Congresso com promessa de liderar oposição

Com a promessa de ser o principal líder da oposição no Congresso, o tucano disse que não pretende dialogar com o governo federal se não houver mudanças na postura da presidente Dilma Rousseff e do PT.

“Eu chego hoje ao Congresso Nacional para exercer o papel que me foi delegado pela grande maioria da população brasileira, por 51 milhões de brasileiros. Vou ser oposição sem adjetivos. Se quiserem dialogar, apresentem propostas que interessem aos brasileiros”, disse. “Somos hoje um grande exército a favor do Brasil e prontos para fazer a oposição que a opinião pública determinou que fizéssemos”, completou.

Ao chegar à entrada principal do Congresso, onde vai retomar nesta terça suas atividades como senador, Aécio foi saudado por cerca de 200 pessoas que aguardavam sua chegada –a maioria delas, militantes e servidores do Legislativo que apoiaram a candidatura do tucano. Depois das eleições, Aécio descansou por uma semana ao lado da família no interior de Minas.

Com gritos de “Aécio presidente” e “Fora PT”, o tucano arrastou os simpatizantes até a entrada do plenário, sempre cercado por deputados e senadores do PSDB e partidos de oposição. No seu desembarque no aeroporto de Brasília, o senador também foi cercado por militantes e aliados políticos que criticaram o governo federal e o PT.

Aécio disse que cabe ao governo federal dar “gestos objetivos e claros” sobre as suas futuras direções para dialogar com a oposição. “Se for na direção que caminhou nos últimos quatro anos, essa oposição que já é de 51 milhões de brasileiros que foram às urnas tende a crescer nos últimos anos”, afirmou.

Emocionado, o tucano disse que não esperava uma recepção “tão forte”, o que comprova que o Brasil “despertou” e não deseja mais acompanhar à distância os atos do governo federal.

“É uma mobilização inédita na nossa história contemporânea. É o sentimento de que quando o governo olhar para a oposição, eu sugiro que não contabilize mais o número de assentos no Senado ou na Câmara, olhe bem que vai encontrar mais de 50 milhões de brasileiros que vão estar vigilantes, cobrando atitudes desse governo, cobrando investigação em relação às denúncias de corrupção.”

Aécio disse que está “revigorado” após conquistar o apoio de 48% dos brasileiros nas urnas e pronto para fazer oposição “com a mesma coragem e com a mesma honradez que me preparei para governar o Brasil”.

Intervenção militar. Questionado sobre as manifestações em favor do impeachment da presidente Dilma Rousseff e o resultado das urnas, Aécio disse que os atos políticos não têm o seu apoio e são condenados pelo PSDB –especialmente os que defendem intervenção militar no país. Segundo o tucano, há pessoas “infiltradas” nos atos políticos para tentar associá-los à oposição.

“Eu respeito a democracia permanentemente. Qualquer utilização dessas manifestações no sentido de qualquer tipo de retrocesso à democracia terá a nossa mais veemente oposição. Eu fui o candidato das liberdades, da democracia, do respeito. Aqueles que agem de forma autoritária e truculenta estão em outro campo político, não estão em nosso campo político.”

No último sábado (1°), cerca de 2.500 pessoas protestaram em São Paulo contra o resultado das urnas e o governo petista. Alguns militantes carregaram faixas em defesa de intervenção militar no país e o impeachment da petista.

“Infelizmente, o governo da presidente Dilma venceu essas eleições perdendo. E lembro Marina Silva: perdi essas eleições vencendo”, disse Aécio.

Mais protestos. Nesta terça, o PT convocou em sua página no Facebook seus seguidores nas redes sociais para “rebater” manifestantes que pedem o impeachment da presidente Dilma Rousseff.
Em publicação intitulada “Militância, às armas”, o partido afirma que os adversários dos petistas são “representantes do atraso” e “verdadeiros fantasmas do passado”. “A vitória de Dilma Rousseff revelou o desespero de setores que insistem em ignorar a vontade da população demonstrada nas urnas”, diz a mensagem.

Novos eventos de pedido de impeachment da presidente Dilma foram marcados nas redes sociais para o feriado de Proclamação da República, no dia 15, em São Paulo, no Rio e em Brasília. O evento está sendo convocado por dois grupos.

Um deles é puxado pelo deputado federal eleito Eduardo Bolsonaro (PSC-SP) e por Paulo Batista, que foi candidato a deputado estadual pelo PRP. O outro é organizado pelo empresário Marcello Reis. Ambos dizem não ser responsáveis pelos pedidos de intervenção militar na última manifestação. “Lógico que tem um grupo que quer intervenção militar, mas não somos um deles”, afirmou.

Folhapress

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

O responsável pela cirurgia o neurocirurgião César Felipe Gusmão Santiago

Montes Claros – Santa Casa de Montes Claros realiza cirurgia inédita para retirada de tumor cerebral

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 9 de dezembro de 2016.Montes Claros – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).