Inicio » Mais Seções » Curiosidades » Vídeo – Mulheres não ejaculam, mas squirting pode não ser mito

Vídeo – Mulheres não ejaculam, mas squirting pode não ser mito

Incontinência urinária, ápice do prazer ou mito? Vulgarmente chamada de squirting (do inglês squirt, que significa esguichar), a ejaculação feminina é tema de discussão entre a classe médica e de desconhecimento por parte da população. Questionados se a vagina seria capaz de eliminar líquidos em forma de jato durante o orgasmo, alguns homens e mulheres entrevistados nas ruas do Grande Recife ficaram na dúvida. Enquanto uns decretaram que não, outros avaliaram que é provável, baseados, principalmente, no que é visto em filmes pornôs.

As ginecologistas especialistas em sexualidade Angelina Maia e Ivana Ramos concordam que a mulher não ejacula, pelo menos não em jato como é o caso dos homens. No entanto, as duas médicas divergem sobre a possibilidade de a mulher esguichar um líquido através da vagina no momento do orgasmo. Enquanto Ivana Ramos explica que para ser chamado de ejaculação é preciso que haja uma pressão para a liberação desse líquido, como acontece com o testículo, pelo pênis, para o meio externo. “Desta forma, não existe ejaculação feminina, o que existe é a liberação de secreções pela vagina. Só que há casos de mulheres com a lubrificação tão aumentada que parece uma ejaculação, mas não existe um esguicho, pois as glândulas femininas não são capazes de produzir essa pressão”, explica Ivana Ramos.

Vídeo - Mulheres não ejaculam, mas squirting pode não ser mitoApesar da explicações científicas, a médica Angelina Maia relata que pelo menos duas de suas pacientes já contaram ter passado pela experiência do squirting. “Elas se sentiram, inclusive, incomodadas com isso. A verdade é que há mulheres que ficam tão molhadas que quando têm o orgasmos e os músculos da vagina contraem tantas vezes e com tanta forrça que pode vir a espirrar aquela secreção. Não é comum, mas acontece. No entanto, eu concordo que isso não pode ser chamado de ejaculação, mas podemos dizer que é uma falsa ejaculação”, avalia Angelina.

Esse reflexo do corpo já foi citado, inclusive, na antiguidade, pela medicina grega, quando se acreditava que o líquido expelido era importante na fecundação. Citações médicas do século 18 também podem ter contribuído para essa “fantasia” de que a mulher ejacula em jato como os homens após o orgasmo. O squirting ganhou fama com atrizes pornô que simulam, com urina, essa “suposta ejaculação”, o que acabou ganhando o imaginário masculino. Entretanto, o líquido que pode vir a espirrar da vagina feminina após o orgasmo por causa do excesso de secreção não se trata de xixi. “Já foram feitas análises nesse material e já foi comprovado que não é urina”, conta a especialista Angelina Maia.

Cercado de mistérios, a verdade é que o orgasmo feminino não está relacionado à quantidade de secreção que a mulher expele antes, durante ou após a relação sexual. Ainda que segundo a ginecologista Ivana Ramos, as glândulas de Skene e Bartholin, que formam o sistema excretor da vagina feminina, podem liberar secreções apenas ao tocá-las, como por exemplo, durante um exame ginecológico, e não necessariamente durante o prazer da masturbação ou do coito.

Em meio ao debate sobre o esguicho de um líquido após o coito, a médica Ivana Ramos alerta para os casos em que as mulheres sofrem de incontinência urinária e acabam urinando durante, ou ao fim, do ato sexual. Essa imagem do jato de urina também pode ser confundido com o gozo, mas se trata de um problema de saúde que afeta, em geral, as pessoas com mais de 50 anos e pode ser corrigido com uma cirurgia simples, feita por via vaginal.

A falta de lubrificação também foi ressaltada como uma disfunção comum entre as mulheres na menopausa. Ivana Ramos destacou, porém, que a falta de secreção também pode ser causada por fungos e bactérias que fazem a vagina ficar mais seca e desidratada. Mulheres que estão amamentando ou que tiveram câncer de colo do útero também ficam com a vagina ressecada. “A falta de lubrificação é mais fácil de resolver do que o excesso, já que para diminuir o fluxo seria necessária a retirada das glândulas, como se faz no controle de excesso de suor, só que isso não é indicado e nunca ouvi falar de um caso em que a excitação aumentada tenha causado algum desconforto”, ressaltou.

Vídeo - Mulheres não ejaculam, mas squirting pode não ser mito

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).