Inicio » Nacional » Brasil – MPF e Polícia Federal desarticulam esquema de corrupção nos Correios

Brasil – MPF e Polícia Federal desarticulam esquema de corrupção nos Correios

O Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (PF) desarticularam esquema de corrupção na Gerência de Saúde dos Correios do Rio de Janeiro. Segundo nota divulgada nesta quarta-feira (19) pelo MPF, o golpe causou prejuízo de mais de R$ 7 milhões aos cofres da estatal entre agosto de 2011 e abril de 2013. Após cumprir mandados de busca e apreensão na casa do diretor regional da empresa, Omar de Assis Moreira, e no Hospital Balbino, a PF cumpriu mandado na casa de mais oito envolvidos no esquema de corrupção e no Hospital Espanhol.

Empregados dos Correios envolvidos com a fraude negociavam privilégios para hospitais no Rio de Janeiro, com o aval de um ex-diretor dos Correios e de um ex-gerente de Saúde da estatal
Empregados dos Correios envolvidos com a fraude negociavam privilégios para hospitais no Rio de Janeiro, com o aval de um ex-diretor dos Correios e de um ex-gerente de Saúde da estatal

De acordo com o MPF, empregados dos Correios envolvidos com a fraude negociavam privilégios para hospitais no Rio de Janeiro, com o aval de um ex-diretor dos Correios e de um ex-gerente de Saúde da estatal. Os empregados permitiram a antecipação de pagamentos para esses hospitais em troca de propina. A investigação também apontou que a quadrilha superfaturou o pagamento de procedimentos cirúrgicos e elevou os valores das tabelas de diárias e taxas pagas a alguns hospitais, bem como pagou por serviços não prestados, que eram lançados como se fossem devoluções de valores estornados pelo plano de saúde dos Correios. As investigações revelaram diversos delitos, incluindo o pagamento superfaturado de uma cirurgia no valor de quase R$ 1 milhão.

Os Correios responderam, em nota, que “o assunto já vem sendo apurado pela empresa, com apoio da PF, desde 2013. Atualmente afastado por determinação judicial, o próprio diretor regional da empresa no Rio de Janeiro, Omar de Assis Moreira, foi quem solicitou, em junho de 2013, a investigação conduzida pela Polícia Federal a respeito de possíveis irregularidades na gestão do plano de saúde”.

Segundo a empresa, “Moreira também instaurou processo de sindicância interno e constituiu grupo de trabalho para apoiar a apuração da PF. Denúncia sobre o caso foi encaminhada ao Ministério Público Federal, em setembro de 2013, pela Administração Central dos Correios em Brasília”. De acordo com a estatal, a sindicância interna, conduzida por órgão corregedor dos Correios em Brasília, está em fase final e é acompanhada pela Controladoria-Geral da União (CGU).

Os Correios também afirmam, na nota, que os fatos documentados comprovam que a empresa não apenas identificou as eventuais irregularidades na gestão do plano de saúde no Rio de Janeiro, como tomou todas as providências necessárias para a completa apuração.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Montes Claros – Confira os destaques policiais das últimas 24h

Montes Claros – Confira os destaques policiais das últimas 24h

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 7 de dezembro de 2016.Montes Claros – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).