Inicio » Norte de Minas » Norte de Minas – Em Januária, suplente pede afastamento de vereador condenado por associação ao tráfico de drogas

Norte de Minas – Em Januária, suplente pede afastamento de vereador condenado por associação ao tráfico de drogas


Reviewed by:
Rating:
5
On 26 de novembro de 2014
Last modified:15 de dezembro de 2014

Summary:

Norte de Minas - Em Januária, suplente pede afastamento de vereador condenado por associação ao tráfico de drogas

O suplente de vereador Itamar Magalhães Viana, o Itamar da Cemig (PT do B), protocolizou no dia (24) à tarde, na Câmara Municipal de Januária, o pedido de decretação da perda do mandato do seu colega de partido, vereador Cláudio Jorge Santos Azevedo, o Claudinho Despachante.

Itamar Magalhães Viana (esquerda) e Claudio Jorge Santos Azevedo
Itamar Magalhães Viana (esquerda) e Claudio Jorge Santos Azevedo

No documento endereçado ao vereador Ademir Batista de Oliveira, o Ademir Paraguai (PSC), presidente da Mesa Diretora, Itamar da Cemig informa que no dia 22 de setembro deste ano transitou em julgado, não sendo passível de mais nenhum recurso, a sentença proferida em 16 de fevereiro de 2012 pelo juiz Alex Matoso da Silva, da 1ª Vara Criminal da Comarca de Januária, que condenou Claudinho Despachante – e outras quatro pessoas – a 6 anos de reclusão e pagamento de 1.400 dias-multa, equivalente a aproximadamente R$ 33,8 mil.

O requerimento protocolizado ontem à tarde foi acompanhado de mais de 120 páginas de documentos. Neles, a Justiça proclama ter ficado “demonstrado através de escutas telefônicas o vínculo associativo estável e permanente dos acusados, voltado à prática do crime de tráfico ilícito de entorpecentes e associação para o tráfico”.

O requerimento enfatiza auto-aplicabilidade do art. 15, inciso III, da Constituição Federal, que prevê a perda automática do mandato pelo político que sofrer condenação criminal transitada em julgado. O documento salienta ainda o fundamento ético dessa perda de mandato, observando que, no caso de Claudinho Despachante, “já não convém ao povo de Januária ser representado por político condenado por associação para o tráfico de drogas”.

Além da Constituição Federal, a Lei Orgânica de Januária e o Regimento Interno da Câmara Municipal também preveem a perda do cargo quando verificada essa situação.

Itamar da Cemig requereu ainda que Ademir Paraguai comunique em 24 horas ao juiz eleitoral e ao juiz que atua no processo criminal as providências que tomar para colocar fim ao mandato de Claudinho Despachante. Escoado o prazo, ele promete ingressar na Justiça com Mandado de Segurança contra o presidente da Câmara de Vereadores januarense, além de representar contra ele, perante o Ministério Público, pela suposta prática do crime de prevaricação.

Itamar da Cemig sabe que Claudinho Despachante é um dos maiores aliados de Ademir Paraguai na Câmara de Januária. O suplente de vereador, que obteve 418 votos nas eleições municipais de 2012, teme que o presidente da Mesa Diretoria possa retardar intencionalmente a edição do decreto legislativo afastará Claudinho Despachante da Câmara Municipal, para mantê-lo no cargo pelo menos até 15 de dezembro, quando haverá eleição do novo presidente para o biênio 2015-2016. Claudinho Despachante foi eleito com 523 votos, graças ao coeficiente partidário.

Por Fábio Oliva

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).