Inicio » Norte de Minas » Norte de Minas – Em Januária, suplente pede afastamento de vereador condenado por associação ao tráfico de drogas

Norte de Minas – Em Januária, suplente pede afastamento de vereador condenado por associação ao tráfico de drogas

O suplente de vereador Itamar Magalhães Viana, o Itamar da Cemig (PT do B), protocolizou no dia (24) à tarde, na Câmara Municipal de Januária, o pedido de decretação da perda do mandato do seu colega de partido, vereador Cláudio Jorge Santos Azevedo, o Claudinho Despachante.

Itamar Magalhães Viana (esquerda) e Claudio Jorge Santos Azevedo
Itamar Magalhães Viana (esquerda) e Claudio Jorge Santos Azevedo

No documento endereçado ao vereador Ademir Batista de Oliveira, o Ademir Paraguai (PSC), presidente da Mesa Diretora, Itamar da Cemig informa que no dia 22 de setembro deste ano transitou em julgado, não sendo passível de mais nenhum recurso, a sentença proferida em 16 de fevereiro de 2012 pelo juiz Alex Matoso da Silva, da 1ª Vara Criminal da Comarca de Januária, que condenou Claudinho Despachante – e outras quatro pessoas – a 6 anos de reclusão e pagamento de 1.400 dias-multa, equivalente a aproximadamente R$ 33,8 mil.

O requerimento protocolizado ontem à tarde foi acompanhado de mais de 120 páginas de documentos. Neles, a Justiça proclama ter ficado “demonstrado através de escutas telefônicas o vínculo associativo estável e permanente dos acusados, voltado à prática do crime de tráfico ilícito de entorpecentes e associação para o tráfico”.

O requerimento enfatiza auto-aplicabilidade do art. 15, inciso III, da Constituição Federal, que prevê a perda automática do mandato pelo político que sofrer condenação criminal transitada em julgado. O documento salienta ainda o fundamento ético dessa perda de mandato, observando que, no caso de Claudinho Despachante, “já não convém ao povo de Januária ser representado por político condenado por associação para o tráfico de drogas”.

Além da Constituição Federal, a Lei Orgânica de Januária e o Regimento Interno da Câmara Municipal também preveem a perda do cargo quando verificada essa situação.

Itamar da Cemig requereu ainda que Ademir Paraguai comunique em 24 horas ao juiz eleitoral e ao juiz que atua no processo criminal as providências que tomar para colocar fim ao mandato de Claudinho Despachante. Escoado o prazo, ele promete ingressar na Justiça com Mandado de Segurança contra o presidente da Câmara de Vereadores januarense, além de representar contra ele, perante o Ministério Público, pela suposta prática do crime de prevaricação.

Itamar da Cemig sabe que Claudinho Despachante é um dos maiores aliados de Ademir Paraguai na Câmara de Januária. O suplente de vereador, que obteve 418 votos nas eleições municipais de 2012, teme que o presidente da Mesa Diretoria possa retardar intencionalmente a edição do decreto legislativo afastará Claudinho Despachante da Câmara Municipal, para mantê-lo no cargo pelo menos até 15 de dezembro, quando haverá eleição do novo presidente para o biênio 2015-2016. Claudinho Despachante foi eleito com 523 votos, graças ao coeficiente partidário.

Por Fábio Oliva

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).