Inicio » Minas Gerais » Brasil – Pedófilo Sueco preso em Minas Gerais é indiciado por cinco crimes no Brasil

Brasil – Pedófilo Sueco preso em Minas Gerais é indiciado por cinco crimes no Brasil

Frank Sten foi preso no dia 20 de novembro, em Ipatinga, no Vale do Aço, onde vivia há 5 anos; ele era procurado pela Interpol desde 2008.

Brasil - Pedófilo Sueco preso em Minas Gerais é indiciado por cinco crimes no Brasil
Brasil – Pedófilo Sueco preso em Minas Gerais é indiciado por cinco crimes no Brasil

Condenado por pedofilia na Suécia e procurado pela Interpol desde 2008, o sueco Frank Hans Robert Sten, de 51 anos, foi indiciado pela prática de cinco crimes no Brasil.

Segundo o delegado Rodrigo Manhães, responsável pelo caso, Sten foi indiciado por uso de documento falso, por três casos de falsidade ideológica, e pelo crime previsto no artigo 241 B do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que penaliza quem adquire ou armazena, por qualquer meio, fotografia, vídeo ou outra forma de registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente.

Sten foi preso no dia 20 de novembro, em Ipatinga, no Vale do Aço, onde vivia há 5 anos e era dono de uma lan house. Ao ser abordado pela polícia, ele apresentou uma carteira de habilitação falsa, mas acabou confessando sua verdadeira identidade ao ser questionado pelo delegado. Segundo Manhães, o inquérito apontou que, além da carteira de habilitação, o sueco falsificou CPF, carteira de identidade e carteira de trabalho. Os órgãos emissores dos documentos já foram notificados sobre as fraudes.

Além disso, de acordo com o delegado, a investigação aberta para apurar o envolvimento do suspeito com pedofilia no Brasil apontou que ele armazenava imagens de crianças e adolescentes nus e em prática de sexo explícito em seu computador pessoal e em um pen drive. Segundo Manhães, também foram encontradas fotos de crianças e adolescentes em cenas cotidianas, tiradas em Ipatinga.

De acordo com o delegado, o inquérito foi encaminhado ao Fórum de Ipatinga nesta segunda-feira. Uma cópia completa do mesmo documento também será enviada à Interpol, que deve determinar as sanções que o suspeito irá sofrer depois que recebê-la. De acordo com Manhães, a princípio, Sten deve ser julgado pelos crimes que cometeu no Brasil e, caso seja condenado, cumprirá pena por eles no país.

Segundo o delegado, se for condenado à pena máxima dos crimes pelos quais foi indiciado, o sueco pode ficar preso por até 25 anos. Sten está preso preventivamente no Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp) de Ipatinga.

O caso

Sten foi preso no mês passado, depois que a polícia recebeu a informação de que um estrangeiro procurado pela Interpol estava na cidade. Ao ser abordado, ele se apresentou como Humberto Cornelio Liung e mostrou uma carteira de habilitação falsa aos policiais, mas acabou confessando sua verdadeira identidade ao ser questionado pelo delegado.

De acordo com Rodrigo Manhães, Sten era dono de uma lan house no centro da cidade e tinha união estável com uma brasileira. Ela foi ouvida pela polícia e contou que descobriu a história do companheiro em outubro. Ainda segundo a polícia, uma criança vivia com o casal, mas não foi possível confirmar se o garoto é filho Sten.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Jerusia Arruda

Coluna da Jerusia Arruda – Direto de Brasília

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 5 de dezembro de 2016.Coluna da Jerusia …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).