Inicio » Colunistas » Coluna – Serviços públicos de baixa qualidade

Coluna – Serviços públicos de baixa qualidade

A senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), em artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo (22/11) – “Democracia e verdade fiscal” – faz considerações a respeito da atualidade mundial frente aos gastos públicos.

Quando a sociedade reclama que a alta carga tributária cobrada do todos não é retornada em serviços públicos de qualidade, a sociedade está expressando uma autêntica verdade do espectro da vida brasileira: educação de péssima qualidade, saúde pública vergonhosa, segurança pública claudicante, transportes urbanos deficientes, saneamento básico precário etc., etc.

Ora, o expressivo montante da arrecadação de impostos é desviado, sem fiscalização política, para cobrir, por exemplo, a despesa pública de Brasília, uma autêntica ilha da fantasia das orgias do dinheiro do contribuinte, sem controle, que beneficia os Três Poderes.

Quanto se gasta desnecessariamente para manter o inchado e inoperante Congresso Nacional do qual a senadora e o seu filho fazem parte? Quanto se despende com as mordomias e despesas dos parlamentares federais (servidores e assessores de gabinetes sem concurso (?); com a quantidade de funções comissionadas nos órgãos públicos federais (?); com o dinheiro mal-empregado em obras públicas (faraônicas) pelo país e inacabadas…?

A senadora Kátia Abreu pertence a uma elite privilegiada do agronegócio, que deveria exercer  o Parlamento de forma gratuita, porque não precisa desse salário para viver, como uma contribuição de seu serviço à nação. Aliás, como o exercício político não é profissão, dever-se-ia acabar com a remuneração salarial política no Brasil, pois os parlamentares já recebem várias ajudas de custo.

Assim, nem a senadora e nem a sua família, porque são abonadas, sentem na pele os efeitos do péssimo serviço público, disponibilizado à sociedade. A senadora Kátia Abreu, por exemplo, dispõe para si e família, de forma gratuita e perene, dos serviços médicos e hospitalares do Senado Federal, e acha tudo isso normal e moral. Por isso, manifesta-se, em seu artigo, sem nenhum escrúpulo: “Aqui, a sociedade está sempre e cada vez mais achando que os serviços públicos que o Estado lhes presta são poucos e de baixa qualidade. Seria preciso gastar mais com saúde, educação, segurança, infraestrutura, combate às desigualdades. Como isso será possível? Vamos aumentar os já altos impostos ou elevar a dívida pública, que nos custa mais de 5% do PIB?”

Causa estupefação a qualquer brasileiro, de mediana cultura, a declaração acima, e logo vinda de uma senadora da República, que parece estar mais afinada com as ideologias do governo federal ao desconhecer, de forma proposital, a realidade nacional de desrespeito social.

Recentemente, estive no Canadá e pude verificar que, não obstante o valor do imposto cobrado dos cidadãos canadenses seja alto, lá tudo funciona bem e sem reclamação da sociedade: educação, saúde, segurança, infraestrutura, saneamento básico etc.

Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor federal aposentado

Balneário Camboriú-SC

Júlio César Cardoso
Júlio César Cardoso
------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).