Inicio » Economia » Governo altera classificação de paraíso fiscal

Governo altera classificação de paraíso fiscal

Uma portaria assinada pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, publicada nessa segunda-feira (1º), reduz de 20% para 17% a alíquota máxima do imposto de renda da pessoa jurídica para um país ser considerado paraíso fiscal.

Portaria foi assinada por Guido Mantega
Portaria foi assinada por Guido Mantega

O chefe substituto da Divisão de Tributação Internacional da Receita Federal, Flávio Barbosa, justifica que a média do imposto cobrado no mundo caiu consideravelmente, por isso a mudança.

Segundo pesquisa da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), em 1996, a média da alíquota era de 36,6% sobre a renda das empresas. Em 2013, essa média caiu para 25,5%, próximo ao teto anterior.

O Brasil cobra uma alíquota de 25% de imposto de renda retido na fonte sobre todo dinheiro transferido para um país enquadrado como paraíso fiscal. Em outros casos, a alíquota geral dessa tributação gira em torno de 15%, dependendo do rendimento.

Segundo Barbosa, não é apenas a cobrança de imposto que configura um país como paraíso fiscal, mas também outros fatores relacionados à falta de transparência, como garantia de sigilo societário e sigilo bancário.

Ele afirma que, com a mudança, alguns países podem deixar de ser enquadrados como paraíso fiscal. Mas para isso acontecer, terão que enviar o pedido, com documentação comprovando não se tratar de ambiente com tributação favorecida e regime fiscal privilegiado, ao governo brasileiro. O governo não cita quantos e quais países podem sair da classificação de paraíso fiscal.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).