Inicio » Nacional » Brasil – Madrasta de Isabella Nardoni diz que versão de nova testemunha é mentirosa

Brasil – Madrasta de Isabella Nardoni diz que versão de nova testemunha é mentirosa

Anna Carolina Jatobá, condenada pela morte da enteada Isabella Nardoni, em 2008, negou nesta segunda-feira (8) ter dito a uma funcionária do sistema prisional que seu sogro, Antônio Nardoni, orientou o casal Nardoni a simular um acidente com a criança para se livrar do crime. A informação de que uma nova testemunha prestou depoimento ao Ministério Público, envolvendo o avô de Isabella no caso, foi revelada nesse domingo (7) pelo “Fantástico”, da Rede Globo.

O casal achou que Isabella estava morta e, em uma ligação telefônica ao sogro, Antônio Nardoni, pai de Alexandre Nardoni, teria dito que eles seriam presos se o crime fosse descoberto.
O casal achou que Isabella estava morta e, em uma ligação telefônica ao sogro, Antônio Nardoni, pai de Alexandre Nardoni, teria dito que eles seriam presos se o crime fosse descoberto.

“Nós estivemos hoje [nesta segunda] no presídio falando com a Anna Carolina. Busquei uma procuração para poder ter acesso a isso tudo. Ela está absolutamente indignada, porque não é verdade. Negou tudo, falou que é um absurdo”, disse o advogado do casal Nardoni, Roberto Podval. O defensor afirmou que vai “estudar as medidas cabíveis” contra a mulher que prestou o depoimento.

“Estamos na seara da pura fofoca. A prova dela [testemunha] é o que a outra [Anna Jatobá] disse. Se a outra disser que não disse, fica o dito pelo não dito. É constrangedor”, afirmou o advogado. Segundo Podval, Anna Jatobá não reconheceu a funcionária do sistema prisional que apareceu no vídeo.

NOVA TESTEMUNHA – Ao “Fantástico”, a nova testemunha disse que Anna Jatobá lhe contou, na penitenciária de Tremembé, logo após ser presa, que o sogro orientou o casal a simular um acidente. De acordo com ela, Anna Jatobá contou que bateu com violência na menina, dentro do carro do casal após voltar de um supermercado.

O casal achou que Isabella estava morta e, em uma ligação telefônica ao sogro, Antônio Nardoni, pai de Alexandre Nardoni, teria dito que eles seriam presos se o crime fosse descoberto. Anna Jatobá teria revelado que o sogro orientou o casal a jogar a menina pela janela do prédio para encobrir a suposta morte violenta.

Isabella foi jogada ainda com vida do sexto andar do prédio onde o casal morava com outros dois filhos, na zona norte de São Paulo.O casal só teria descoberto que ela estava viva após ela ter sido jogada por Alexandre. Anna Jatobá não teria denunciado até hoje o sogro porque ele mantém economicamente seus dois filhos e lhe proporciona “regalias” dentro da cadeia, como um colchão especial, diferente do usado pelas outras detentas.

Apesar de ter tomado conhecimento em 2008 da suposta participação de Antônio Nardoni no crime, a funcionária do sistema prisional disse que não sabia como fazer a denúncia sob anonimato.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Montes Claros – Confira os destaques policiais das últimas 24h

Montes Claros – Confira os destaques policiais das últimas 24h

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 7 de dezembro de 2016.Montes Claros – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).