Inicio » Minas Gerais » MG – Candidatos são presos por fraude em vestibular de medicina

MG – Candidatos são presos por fraude em vestibular de medicina

Mais uma fraude em vestibulares de Minas Gerais foi descoberto pela Polícia Civil. No fim da tarde deste sábado (6), sete candidatos para o curso de medicina, da Universidade de Uberaba (Uniube), no Triângulo Mineiro foram presos, durante a operação “Colateral”.
Mais uma fraude em vestibulares de Minas Gerais foi descoberto pela Polícia Civil. No fim da tarde deste sábado (6), sete candidatos para o curso de medicina, da Universidade de Uberaba (Uniube), no Triângulo Mineiro foram presos, durante a operação “Colateral”.
Mais uma fraude em vestibulares de Minas Gerais foi descoberto pela Polícia Civil. No fim da tarde deste sábado (6), sete candidatos para o curso de medicina, da Universidade de Uberaba (Uniube), no Triângulo Mineiro foram presos, durante a operação “Colateral”.

A ação foi coordenada pelo delegado Luiz Tortamano e pela delegada Amanda Millie, que colocaram policiais civis disfarçados como fiscais de prova, dentro das salas, durante a aplicação das avaliações.

Segundo Tortamano, os candidatos foram detidos quando, todos, simultaneamente às 18h, pediram para ir ao banheiro. No local, eles tentaram acessar as respostas da prova por um celular escondido nas roupas íntimas, mas foram surpreendidos pelos policiais civis.
O gabarito foi passado, minutos antes, por um membro da quadrilha, chamado de “piloto”. Esta função é dada, normalmente, para uma pessoa de alto nível intelectual, que faz a prova mais rápido que os candidatos habituais.
Os candidatos alegaram que teriam pago R$ 10 mil de entrada para o grupo responsável pela fraude e desembolsariam mais R$ 40 mil, se o golpe não fosse descoberto. “Trata-se de uma quadrilha de São Paulo, da região de Fernandópolis, que repassaria o gabarito pelo celular, por meio de uma mensagem codificada”, explicou o delegado.
Todos os presos foram ouvidos e depois liberados após pagamento de fiança, sendo R$ 5 mil para cada um. Eles responderão pelo crime de fraude em certame de interesse público, previsto no Artigo 311-A do Código Penal Brasileiro. Tortamano informou que a Uniube sabia da investigação, apoio na operação e o vestibular não será cancelado em função das prisões.
Os candidatos presos são elas: G.M.T., 19 anos, de Itabatinga-SP; R.M.T., 19 anos, Aparecida do Taboado-MS; T.S.F., 30 anos, Sudimenuci-SP; P.H.R.S., 23 anos, Conceição das Pedras-MG; R.C.B., 24 anos, Umuarama-PR; D.V., 21 anos, de Itápolis-SP; R.M.T., 23 anos, de Tabatinga-SP.
O delegado Luiz informou que ninguém da quadrilha foi preso ainda, que é diferente dos acusados presos durante a Operação Hemóstase II, no mês passado. A investigação foi iniciada há dois meses. Os integrantes do grupo agem em Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Brasília (DF), desde 2013.
A operação foi denominada como operação “Colateral”, pois o “remédio” utilizado pelos “futuros” médicos não teve o efeito desejado por eles.
------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Temer sanciona com veto lei que repassa custos do Fies com bancos para faculdades

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 2 de dezembro de 2016. Temer sanciona …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).