Inicio » Economia » Cartão de crédito tem maior taxa de juros em quase 15 anos, mostra Anefac

Cartão de crédito tem maior taxa de juros em quase 15 anos, mostra Anefac

As taxas de juros cobradas no cartão de crédito atingiram o maior patamar em quase 15 anos, de acordo com dados da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade) divulgados nesta quarta-feira (10). Os juros médios cobrados na modalidade chegaram a 10,90% ao mês (ou 246,08% ao ano) em novembro, maior patamar registrado desde janeiro de 2000, quando a taxa era de 10,93% ao mês (ou 247,21% ao ano). Em outubro, o juro médio foi de 10,78% ao mês (241,61% ao ano).

Parte do aumento é explicado pela retomada do ciclo de aumento da taxa básica Selic
Parte do aumento é explicado pela retomada do ciclo de aumento da taxa básica Selic

Parte do aumento é explicado pela retomada do ciclo de aumento da taxa básica Selic, iniciada na reunião do Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) de fins de outubro e continuada no encontro da semana passada, diz Miguel Ribeiro de Oliveira, coordenador da pesquisa e diretor executivo da entidade. Esse aperto monetário faz com que aumente o risco de inadimplência, afirma Oliveira. “Esse cenário se baseia nos índices de inflação mais elevados e juros maiores, que reduzem a renda das famílias”, afirma.

“Além disso, o baixo crescimento econômico, que contribui para o aumento dos índices de desemprego, e as expectativas negativas para 2015 levam as instituições financeiras a aumentarem suas taxas de juros para compensar prováveis perdas com a elevação da inadimplência”, complementa. Os juros no cheque especial também subiram e renovaram o maior valor em quase 11 anos. A taxa média cobrada em novembro deste ano foi de 8,56% ao mês (ou 167,94% ao ano), enquanto em dezembro de 2003 foi de 8,64% ao mês (ou 170,32% ao ano). Em outubro, a taxa havia sido de 8,50% ao mês (ou 166,17% ao ano).

De acordo com a Anefac, o juro médio ao consumidor cobrado nas operações de crédito passou de 6,08% ao mês em outubro (ou 103,05% ao ano) para 6,14% ao mês (ou 104,43% ao ano) em novembro. Todas as seis linhas de crédito pesquisadas pela associação registraram alta em novembro (confira abaixo). Em setembro deste ano, as taxas de juros cobradas dos consumidores deram uma trégua e caíram, após 15 meses seguidos de alta. A queda refletiu a interrupção, por parte do Banco Central, do ciclo de aumento da taxa básica de juros, a Selic, até então.

PESSOA JURÍDICA – Os juros médios cobrados de empresas registraram alta em novembro, passando de 3,44% em outubro (ou 50,06% ao ano) para 3,49% no mês passado (ou 50,93% ao ano). As três linhas de crédito analisadas viram seus juros subirem. No capital de giro, os juros subiram de 1,93% ao mês em outubro para 1,96% em novembro. Já a taxa de desconto de duplicatas avançou de 2,52% ao mês em outubro para 2,56% mensais em novembro. A conta garantida passou de 5,87% ao mês em outubro para 5,94% ao mês em novembro.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Montes Claros – Confira os destaques policiais das últimas 24h

Montes Claros – Confira os destaques policiais das últimas 24h

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 7 de dezembro de 2016.Montes Claros – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).