Inicio » Minas Gerais » MG – Emater de Minas ajuda a tirar milhares de famílias da miséria

MG – Emater de Minas ajuda a tirar milhares de famílias da miséria

MG – Emater de Minas ajuda a tirar milhares de famílias da miséria

Com 2,4 mil reais na mão e boas ideias, milhares de famílias de Minas Gerais conseguem sair da extrema pobreza, pondo em prática projetos de geração de renda. Para isso, contam com o trabalho da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), no planejamento e execução das ações.

MG - Emater de Minas ajuda a tirar milhares de famílias da miséria
MG – Emater de Minas ajuda a tirar milhares de famílias da miséria

No Plano Brasil Sem Miséria, por exemplo, a Emater-MG já atendeu, em um ano, cerca de 8,2 mil famílias, de municípios das regiões Norte, Nordeste e Leste do Estado, além de Curvelo e Unaí. Pelo acordo de cooperação técnica firmado em novembro de 2013 entre a Emater-MG, o Ministério de Desenvolvimento Agrário (MDA) e o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), a empresa faz o diagnóstico e o planejamento de projetos produtivos das famílias que podem ser beneficiadas, além de orientar a execução dos mesmos.

A meta do acordo com a Emater-MG, de dois anos, é atender 9,4 mil famílias em situação de vulnerabilidade social, ou seja, que tenham renda mensal de até 77 reais por pessoa. De acordo com o coordenador do projeto na Emater-MG, Danilo Alvarenga. Em um ano, já foram cumpridos 80% da meta de liberação de projetos. Em 2015, além de atender os 20% que ainda não receberam recursos, serão realizadas as visitas de acompanhamento em todos os empreendimentos, para conferir a sustentabilidade dos investimentos.

Pelas regras do Plano Brasil Sem Miséria, o dinheiro deve ser utilizado em projetos produtivos que gerem renda, e não necessariamente agropecuários. Mas estes são a maioria. Os mais comuns, segundo Danilo Alvarenga, são criação de frango caipira, apicultura, criação de porcos, aquisição de novilhas. Também já foram atendidos projetos de aquisição de máquinas de costura, e até de salão de beleza.

É um programa que gera resultados sustentáveis em pouco tempo. Por exemplo, na avicultura, com 800 reais é possível construir um galinheiro, além de comprar os pintinhos e a ração. Três a quatro meses depois os produtores já começam a venda dos frangos”, afirma Alvarenga. Ele explica que, no acompanhamento com os técnicos de Ater, os beneficiários são orientados a investir parte das receitas no próprio negócio, ou seja, no custeio da atividade.

De acordo com a cartilha informativa do Brasil Sem Miséria, na primeira etapa do projeto, o agente de Ater (no caso de Minas, a Emater-MG) faz, junto com a família, um diagnóstico sobre as condições atuais da produção, identificando pontos fortes e dificuldades. Na segunda, com base no diagnóstico, a família e o técnico elaboram conjuntamente um projeto detalhado para organizar ou ampliar a produção, com estabelecimento de etapas para a estruturação produtiva da família. Por fim, o agente de Ater acompanha a família durante o desenvolvimento do projeto, para que ele seja executado da melhor forma possível, podendo orientá-la inclusive quanto a formas de comercializar os excedentes, para aumentar a renda.

O pagamento é feito pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) diretamente aos agricultores, por meio do cartão do Bolsa Família ou pelo Cartão Cidadão. Cada família pode receber 2,4 mil reais, divididos em duas parcelas. Não se trata de empréstimo, ou seja, não é preciso devolver o dinheiro, mas só recebem a outra parcela as famílias que se envolverem e participarem ativamente do desenvolvimento do projeto. Os recursos devem ser usados na compra de insumos e equipamentos (como sementes, adubos, ferramentas, animais e matrizes) ou na contratação de pequenos serviços necessários à implantação do projeto.

PADARIA

Um grupo de agricultoras do povoado de Timorante, município de Bandeira (Vale do Jequitinhonha), se organizou para começar a fabricação de pães, biscoitos, bolos e doces. Segundo a extensionista da Emater-MG Lucianara Guimarães, a Prefeitura municipal de Bandeira vai ceder um imóvel e providenciar a reforma e adequação de um espaço onde funcionará a cozinha comunitária. “O Brasil Sem Miséria tem contribuído bastante para a melhoria da qualidade de vida e a geração de emprego e renda”, afirma.

Lucianara foi a responsável pela capacitação para produção de farinha e farináceos, realizada em novembro, no município de Bandeira. A Emater-MG também orienta os produtores da região para participarem do Programa Nacional de Alimentação Escolar e do Programa de Aquisição de Alimentos. O objetivo é também incentivar a agregação de valor à produção agrícola, para gerar mais emprego e renda.

QUILOMBOLAS

A comunidade de Poções, no município de Francisco Sá, também foi selecionada para participar do plano, com a proposta de melhorar as condições de vida dos moradores, remanescentes dos antigos quilombos da época da escravatura. Após um diagnóstico da realidade rural na região, foi detectado potencial de desenvolvimento e necessidade de mais serviços de assistência técnica e extensão rural, pois apenas cerca de 20% das famílias praticavam mais de duas atividades produtivas durante o ano-safra. A maioria praticava somente uma atividade, como bovinocultura ou lavoura, explica José Eustáquio Barbosa, extensionista da Emater-MG em Francisco Sá.

Os investimentos foram concentrados em atividades como avicultura, bovinocultura, suinocultura, todas acompanhadas pela equipe da Emater-MG, e com recursos do Brasil Sem Miséria. “Além da assistência técnica, a Emater-MG organizou oficinas, dias de campo e reuniões, com o objetivo de, principalmente, aumentar a qualidade de vida, com a educação alimentar, além do resgate cultural”, explica a extensionista de Bem-estar social, Cleide Neves.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Leia Também

Cultura Moc - Festa Nacional do Pequi começa na próxima semana

Cultura Moc – Festa Nacional do Pequi começa na próxima semana

Compartilhar no WhatsApp* Por: Jornal Montes Claros - 10 de dezembro de 2016.Cultura Moc – …


Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).