Inicio » Economia » Dólar sobe a R$ 2,71 com espera por Levy e queda das commodities

Dólar sobe a R$ 2,71 com espera por Levy e queda das commodities


Reviewed by:
Rating:
5
On 5 de janeiro de 2015
Last modified:5 de janeiro de 2015

Summary:

Dólar sobe a R$ 2,71 com espera por Levy e queda das commodities

A nova queda nos preços das commodities no exterior e a tensão política na economia grega instaurou um clima de aversão ao risco global nesta segunda-feira (5), levando ao fortalecimento do dólar em relação as principais moedas internacionais.

Dólar sobe a R$ 2,71 com espera por Levy e queda das commodities
Dólar sobe a R$ 2,71 com espera por Levy e queda das commodities

No Brasil, o quadro é agravado pela cautela dos investidores em relação à deterioração das contas públicas, segundo operadores, que esperam por sinalizações mais claras por parte do novo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, sobre as medidas que serão tomadas para colocar a economia nos trilhos. Levy toma posse nesta segunda, às 15h (de Brasília).

Nesse cenário, o dólar à vista, referência no mercado financeiro, mostrava valorização de 0,82% sobre o real, às 12h50, cotado em R$ 2,715 na venda. Já o dólar comercial, usado no comércio exterior, avançava 0,85% no mesmo horário, para R$ 2,716.

Entre as 24 principais moedas emergentes, apenas três subiam em relação ao dólar: a lira turca (+0,52%), o novo soles peruano (+0,21%) e o baht tailandês (0,05%). Já o dólar de Hong Kong operava estável frente à moeda americana. Do outro lado, o florim húngaro era a divisa que mais perdia, com baixa de 0,95% ante o dólar. O real tinha a terceira maior queda. Em relação ao euro, a divisa americana atingiu o maior nível em nove anos nesta segunda.

Além das questões pontuais, operadores citam que a cotação do dólar segue pressionada pelo fortalecimento da economia dos Estados Unidos, que pode provocar um aumento antecipado nos juros daquele país, gerando a saída de recursos dos emergentes, como o Brasil. Assim, com uma oferta menor da moeda americana nesses países, o valor do dólar tende a subir ainda mais.

As preocupações se mantêm com a menor atuação do Banco Central do Brasil no câmbio. No primeiro pregão de 2015, o BC cortou pela metade a ração de leilões diários que vinha realizando em 2014, passando de US$ 200 milhões para até US$ 100 milhões. A redução havia sido anunciada na terça-feira (30).

Além do valor menor, o prazo de renovação do programa de venda de contratos do chamado “swap” cambial (equivalente a uma venda futura de dólar) foi cortado: vai vigorar até 31 de março. Até então, ele era sempre renovado por seis meses desde que foi criado, em 22 de agosto de 2013. Nesta segunda, o BC vendeu 2.000 contratos de swap, por US$ 98,2 milhões.

A avaliação de operadores é que o corte, além de necessário, já era esperado. Em relatório divulgado na última semana, a equipe de análise do JPMorgan avaliou o movimento como um sinal, “sugerindo a intenção [do BC] de eventualmente cessar a oferta diária de swaps”. Para o banco, o dólar pode chegar a R$ 3 até o fim de 2015.

“O atual patamar é entre R$ 2,60 e R$ 2,70. Não tem fugido muito disso. A menor atuação do BC não é omissão. A autoridade não quer alimentar a ideia de que há um teto para o dólar”, disse Reginaldo Gelhardo, gerente de câmbio da Treviso Corretora.

Em nota divulgada na semana passada, o economista do Goldman Sachs Alberto Ramos afirmou acreditar que “a economia [brasileira] precisa mais do que nunca de um significante e permanente ajuste fiscal, em vez de mais atuações do BC no câmbio”, para que o real encontre um ponto de equilíbrio.

BOLSA – A aversão ao risco global também afeta negativamente as Bolsas nesta segunda-feira. No Brasil, o principal índice de ações nacional, o Ibovespa, caía 2,09%, às 12h50, para 47.497 pontos. O volume financeiro girava em torno de R$ 1,629 bilhão.

A queda de 6,83%, para R$ 8,72, dos papéis preferenciais da Petrobras, sem direito a voto, contribuía para manter o índice no vermelho. A estatal segue no foco de uma série de denúncias de corrupção que a impediram de divulgar seu balanço referente ao terceiro trimestre do ano passado. Os papéis ordinários da petroleira, com direito, recuavam 6,66%, para R$ 8,40 cada um.

Folhapress

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).