Inicio » Internacional » Ásia » Ásia – Em vídeo na internet brasileiro pediu para não ser executado

Ásia – Em vídeo na internet brasileiro pediu para não ser executado

Antes da morte por fuzilamento de Marco Archer Cardoso Moreira, 53, na Indonésia, um amigo divulgou um vídeo no Youtube em apelo contra a execução do brasileiro.

Antes da morte por fuzilamento de Marco Archer Cardoso Moreira, 53, na Indonésia, um amigo divulgou um vídeo no Youtube em apelo contra a execução do brasileiro.
Antes da morte por fuzilamento de Marco Archer Cardoso Moreira, 53, na Indonésia, um amigo divulgou um vídeo no Youtube em apelo contra a execução do brasileiro.

No vídeo “Não executem Curumim”, publicado na quinta-feira (15), Moreira narra sua história, diz que estava sofrendo e que tinha o sonho de retornar ao Brasil.

“Estou ciente que cometi um erro gravíssimo, mas, enfim, eu mereço mais uma chance. Porque todo mundo erra. Meu sonho é sair daqui, voltar para o Brasil e expor o meu problema para os jovens que estão pensando em se envolver com drogas”, diz Moreira. No áudio, o brasileiro se diz uma pessoa esperançosa e que lutaria até o fim para não ser executado.

------------------------------------------------------------------------

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal Montes Claros


------------------------------------------------------------------------

------------------------------------------------------------------------

Aviso: nossos editores/colunistas estão expressando suas opiniões sobre o tema proposto, e esperamos que as conversas nos comentários sejam respeituosas e construtivas. O espaço abaixo é destinado para discussões, para debatermos o tema e criticar ideias, não as pessoas por trás delas. Ataques pessoais não serão, de maneira nenhuma, tolerados, e nos damos o direito de excluir qualquer comentário ofensivo, difamatório, calunioso, preconceituoso ou de alguma forma prejudicial a terceiros, assim como textos de caráter promocional e comentários anônimos (sem um nome completo e email válido).